quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Excursão à região dos Lagos: Nemi

Ontem resolvemos ir à uma cidadezinha bem perto de Roma de carro - é uma delicia sair de Roma e tomar um pouco de ar fresco, comer coisas típicas nas cidadezinhas dos arredores... Eu e três amigas decidimos ir à Nemi, que fica na região dos lagos, perto de Frascati, famosa pelo vinho, Genzano, famosa pela "Infiorata", uma festa de flores, onde os habitantes enchem as estradas com flores que formam pinturas famosas, Castel Gandolfo, onde tem a residencia de verão do Papa....e sobretudo fica no alto, o que nos promete um pouco de ar fresquinho e límpido.

Na verdade esticamos beeem a viagem e somento ao retorno paramos em Nemi.

Fomos à Norma, perto da costa, na província de Latina.

Aqui os jardins da ex fronteira de Ninfa... subindo pra Norma, onde obviamente as ruínas romanas não faltam!

... nem os cães pastores...


... e as ovelhas...


... "homens voadores"


... que Giulia fotografou com a sua Hasselblad


Olha que imagem surreal as ruínas romanas com o cara voando lá atrás!


Então, depois de muito relax atrás de cães, ovelhas e homens voadores, voltamos à Nemi... e Christina só falava em comer porchetta...que é um assado de carne de porco muito famoso nesta zona, que é cozinhado com muitas hervas típicas, como o alecrim. O sanduíche custa em média € 3,50. Para quem não come carne, existem nos restaurantes várias alternativas, como massas com funghi (cogumelos) e verduras da estação.


Olhem que lojinha ajeitadinha...eles chamam essas lojinhas de "Alimentare"

Outra coisa famosa de Nemi são os morangos de bosque...


Olhem no fundo, a Christina "devorando" o seu sanduíche com porchetta....

Lago de Nemi

"Nemi" quer dizer bosque, e é uma mini-cidadezinha onde tanto tempo atrás tinha um famoso templo de Diana e um lago, onde o Imperador Calígula tinha dois barcos enormes e organizava verdadeiras "batalhas navias" para se divertir - é normal, gente? Não, mas por aqui as coisas NÃO são normais - rsrsrsrs: tem um museu, onde pode-se ver a reconstrução dos barcos, que infelizmente foi bombardado durante a II Guerra, olha que azar, logo depois que tinha sido inaugurado!


Na verdade, a porchetta", é de ARICCIA, que é uma outra cidadezinha aqui perto que nao é tão interessante pra visitar, mas em toda esta zona tem esse porco assado, que é famosissimo!

E assim fizemos um dia magnífico e descontraído nos arredores de Roma! Uma visíta típica, aproveitando bem desta região você pode ver neste link: http://guiaderoma.blogspot.de/2012/05/regiao-dos-lagos-castel-gandolfo.html

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Museus Vaticanos, Capela Sistina e Basilica de S. Pedro

Hoje fizemos uma deliciosa manhã de tour, das 9:00 às 12:00.
Vou mostrar passo por passo o percurso do grupo de 10 amigas de Maceió que fizemos com a Luisa.

O tour começa com um encontro na frente do Caffè Vaticano, Viale Vaticano 100. A Luisa chega e recebemos os fones de ouvido, pois é obrigatório dentro dos museus para grupos maiores do que 4 pessoas! Estes fones custam € 1,50 para os Museus Vaticanos e €1,50 para a Basílica de São Pedro e são pagos diretamente ao próprio museu. Nossas tarifas iniciam em € 60 por pessoa para grupos de 4 pessoas - os tours são exclusivos, com guias privativas.

Tímpano da Basílica de São Pedro

A primeira coisa que a Luisa explica é sobre a zona do Vaticano, a origem do Museu e o início do cristianismo em Roma. É muito curioso entender por quê o Vaticano é neste lugar - tem explicação pra tudo aqui

Mas vamos primeiro tirar uma foto!


Explicações no pátio, antes de entrar no museu

Cortile della Pigna, pavões com a pigna (que era uma fonte na antiga basílica constantiniana)

Seguimos para o famoso Pátio da "Pinha", onde tem as reproduções do teto da Capela Sistina, e recebemos explicações sobre essa maravilha realizada pelo Michelangelo: onde está o seu auto-retrato, o significado das escolhas do Michelangelo sobre a famosa cena onde Deus cria o homem, as sibilas, os profetas, o choque do Papa com tantos "nus" e a sua reação.


Fundamental a presença de uma guia que saiba envolver também as crianças!

Depois disso entra-se no museu e temos a possibilidade de apreciar as famosas tumbas em pórfido da esposa e da filha do Imperador Constantino, que em 313 deu liberdade de culto aos cristãos.

Mosaico pavimental da Sala dos Animais

Depois passamos pela galeria de esculturas em mármore, cópias romanas de originais gregos (quase todos perdidos ou destruidos) e começamos a apreciar a preciosidade desta coleção.

As explicações de Luisa nos envolvem completamente e permitem que entremos completamente em um outro mundo e em um outro tempo, aprendendo novos símbolos que ampliam os nossos horizontes!

Diana de Éfeso


Galleria degli Arazzi - Galeria dos Tapetes

Depois passamos pela galeria dos tapetes ("arazzi" em italiano) que foram feitos baseados em desenhos de Raffaelo, que por sua vez foram produzidos em maneira exímia em Bruxelas. Luisa nos mostra mágicas perspectivas e temas bíblicos representados.

Finalmente chegamos à Capela Sistina, onde podemos apreçar a beleza única deste espaço (que tem as medidas do antigo templo de Salomão em Jerusalém!): em um primeiro momento sozinhos, recordando as explicações dadas ao início do passeio, e depois temos de novo explicações mais detalhadas da Luisa. Dentro não é permitido fazer fotos ou filmar, por isto não tenho imagens deste momento.

Saímos de lá por uma porta reservada aos guias oficiais da cidade de Roma, para nos encontrar já dentro da Basílica de São Pedro (pulando a fila!), onde começamos a nossa visita tentando "entender" as dimensões gigantescas da maior igreja do mundo! Logo à direita, vemos a Pietà do Michelangelo e depois, a tumba de Papa João Paulo II, que estava antes nas "grutas vaticanas" (o primeiro subsolo da igreja), mas que depois da beatificação do Papa, adquiriu um lugar no interno da basílica.

A Transfiguração de Cristo, mosaico sobre cartão de Raffaello

Passamos então pela antiga escultura de Pedro, feita pelo grande escultor Arnolfo de Cambio, onde os fiéis tocam o seu pé, e depois seguimos para o ponto principal deste lugar de culto: a parte de onde se vê a tumba de Pedro, embaixo do baldaquino realizado pelo grande arquiteto e escultor Bernini.

S. Pedro, por Arnolfo de Cambio, escultura feita em 1300 que estava na velha Basílica de Constantino

Close do pé "gasto" de tanto as pessoas passarem a mão!

A este ponto, nos encontramos embaixo da enorme cúpola de 32m de diâmetro e apreciamos as esculturas e colunas que a sustentam. Santa Verônica, Santo Andrea, São Longuinho e Santa Helena.

Embaixo da cúpola de Michelangelo

Verônica com o véu, escultura da escola de Bernini

Apreciamos o vitraux com a representação do Espírito Santo e a Cátedra de São Pedro, do Bernini, e passamos à outra metade da basílica para apreciar outros túmulos e mosaicos importantes, entre os quais a "Transfiguração de Cristo", mosaico tão perfeito que é impossível perceber que não se trata de uma pintura, para depois caminharmos à saída da igreja.

Vitral da Cátedra de São Pedro

Detalhe da Transfiguração de Raffaello

Fachada da Basílica de São Pedro

Luisa nos dá outras explicações sobre a construção da igreja e sobre a famosa Praça São Pedro, para depois dar as dicas de compras de souvenirs que só ela conhece!

Leia o post sobre os Tesouros da Basílica de São Pedro com a planta baixa dos 22.000 metros quadrados de superfície!

Em linhas gerais é um passeio completo e agradável, você nem sente tanto o cansaço das três horas, pois a guia torna a visita muito mais fácil do que enfrentar tanta história e arte de uma vez só!

E Luisa já está pronta para a visita da tarde!

Aproveito pra apresentar a Suzan (aqui embaixo), ela é a minha (e tua!) outra jóia de colaboradora nos tours!

... e Suzan!

Horários de abertura de 2a à sábado:
Entrada: 08.30:00 - 15:00
Fecho: 18:00

Preço dos tickets na bilheteria: Inteiro € 20,00; 1/2 : € 12,00 - tarifas museus Vaticanos 2016
Existe um acréscimo de €4 por tickets quando comprados antecipadamente para evitar filas. Essa taxa é imposta pelos próprios Museus Vaticanos.

Dias em que o Museu Vaticano está fechado: Domingos, com excessão do último domingo do mês (onde o ingresso é gratuito 9:00 - 12:30 Fecho 14:00); só não estará fechado se coincidir com a Páscoa, 29 giugno (feriado dos Santos padroeiros de Roma Pedro e Paulo), 25 o 26 de dezembro ( Natal ou Santo Stefano)
Janeiro 1, 6
fevereiro, 11
Março 19
Abril 24, 25 (Pasqua - Lunedì dell'Angelo)
Maio 1
Junho 29 (SS. Pietro e Paolo)
Agosto 14, 15
Novembre 1
Dezembro 8 (Immacolata Concezione), 25, 26

Como chegar nos Museus Vaticanos com o metro linha A (vermelha), da estação Ottaviano - mapa

Mapa de como chegar na enrtada dos Museus: Viale Vaticano 6

Os tickets comprados on line no site oficial dos Museus custam 20 euros em 2013 e permitem você de pular as enormes filas de entrada., mas se reservar conosco, eu faço isso para você!

Foto de Valencius e Creuza depois da visita com a Luisa

Neusa e Luiz Carlos fotografados por Maria, na saída dos Museus Vaticanos, no topo da escada caracol
 ********************************************************************************************************
O Museu é enorme e vale a pena pegar uma guia que conte a história dele e das preciosidades encontradas lá dentro!
O grupo de Marcelina com Luisa, desafiando o calorão de Agosto em Roma

Ana, Laura e Marcelina dentro da Basílica de São Pedro, fotografadas por Luisa - note o xale nos ombros de Marcelina para entrar na basílica

Grupo de Paula e Paulo, guiados pela Suzan, que comemoram o aniversário de casamento aqui em Setembro de 2013!

O grupo da Thais, no final do tour - Agosto de 2015

Temos muita experiência com crianças e portanto os nossos métodos para que a sua experiência nos Museus Vaticanos e Capela Sistina seja inesquecível.

Organizamos a sua viagem à Itália. Peça seu orçamento aqui|!

Museus em Roma:

Museus Capitolinos
Museu Etrusco
Galleria Borghese
Museu Barraco
Palácio Máximo

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O cemitério Protestante

"Here lies one whose name was writ in water"

"Aqui repousa a alma de alguém tem teve seu nome escrito nas águas"
John Keats, poeta inglês, 1821

Como toda capital européia importante, Roma tem um cemitério com personalidades ilustres que viveram aqui. O cemitério protestante é também conhecido como "cemitério acatólico".


Este passeio é muito bonito de se fazer, existem vários ônibus que passam nesta zona (23, 280, 75, 716, 3), além da estação do Metro B "Piramide". Esta região não é muito longe do centro histórico de Roma, mas muito pouco visitada por turistas.


Algumas personalidades que estão neste cemitério: o escritor Carlo Emilio Gadda (1893-1973), August von Goethe (1789-1830), filho do famoso escritor alemão, Antonio Gramsci (1891-1937), filósofo que fundou o partido comunista italiano, o poeta inglês Percy Bysshe Shelley (1792-1822), a genial poetisa italiana do século XX Amelia Rosselli (1930-1996) (ver meu post de 8 de Março de 2010), entre muitos outros.


Não percam este passeio!



Endereço: 
Via Caio Cestio, 6, 00153 Roma
tel. 06 574 1900

Horário de abertura:
Seg- sábado 9:00 - 17:00 (última entrada às 16:30)
Domingos e feriados 9.00 - 13.00 (última entrada às 12.30)

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Santo Estevão Redondo

"Ah Roma! meu país! cidade da alma!"
Lord Byron (1788-1824)
Afresco de Pomarancio da igreja de Santo Estevão Redondo

Domingo estive passeando com a Kaká e família. A pedido dela, tinha praparado um tour pelas 7 colinas de Roma.


Esta igreja, como muitas aqui na Itália, tem uma fachada tão discreta que é difícil imaginar os tesouros que ela contém!


Fachada da igreja de Santo Estevão


O interior de Santo Estevão Redondo

No lugar onde no II século d.C. existia um Mitreu, foi consagrada pelo Papa Simplício (468 - 483) a basílica com um plano arquitetônico do Santo Sepulcro de Jerusalém.


Por mero caso, naquela manhã ia ter um casamento mais tarde, a igreja estava toda decorada com flores brancas e tinha duas músicas ensaiando a "Ave Maria" de Schubert: uma tocava harpa e a outra flauta transversal. Foi um momento mágico.



O curioso edifício é formado por dois círculos concêntricos. O diâmetro do círculo central é de 22m, sobre o qual se apoia um tambor de 22m de altura. Um corredor circular separa o anel perimetral do terrapleno central. Os capitéis iônicos do anel exterior foram realizados exclusivamente para esta igreja.

Entre os anos de 430 e 460, a arquitetura paleocristã atingiu a sua maior expressão artística e vemos isto neste edifício, assim como no batistério de São João em Latrão , Santa Sabina e no Mausoléu de Santa Constança. A planta redonda é uma característica de construções dedicadas a santos mártires, já realizados durante o período constantiniano (segundo quarto do IV século).

Os papas João I e Félix IV contribuíram à decoração desta igreja com mosaicos e mármores preciosos, dos quais infelizmente não temos mais resquícios!


Gregório Magno (590 – 604) rezou missa nesta igreja e o trono em mármore do período romano pensa-se ter pertencido a este papa.


Santo Stefano Rotondo

No ano de 601, padres do monastério de São Bento em Subiaco vieram viver aqui para se proteger dos ataques dos lombardos.


O papa Teodoro I (642-649) transferiu as relíquias dos irmãos santos mártires Primo e Félix para o interior desta igreja, onde mandou construir uma pequena ábside no lado noroeste, bem como um painel de prata para adornar o novo altar. 

A calota da ábside foi decorada então com um mosaico com fundo de ouro, sobre o qual foram representados os santos aos lados de uma cruz central, por sua vez decorada por pedras preciosas. Acredita-se que este trabalho tenha sido realizado por um artista bizantino e é uma das poucas obras de arte conservadas em Roma do VII século!

O altar com o mosaico do VII século

No XI século a capela dos santos irmãos foi fechada com faixas de madeira para ser utilizada como sacristia e um segundo coro. 


Afrescos de Santo Stefano Rotondo, antes do restauro

basílica não teve uma comunidade de padres vivendo aqui continuamente, o que causou o seu abandono nas centenas de anos que seguiram.

Papa Niccolau V (1447-1455) realizou o segundo restauro com o florentino Bernardo Rossellino, que refez o teto e o pavimento, elevando-o ao nível atual, e mandou murar o perímetro do círculo central e deu a igeja à Ordem dos Padres e Irmãos Paulinos.

Gregorio XIII Buoncompagni (1572-1585) mandou afrescar as paredes pelos pintores Antonio Tempesta e Pomarancio (Niccolò Circignani, 1520-1597), com cenas de martírio, que compõem a obra do Martirológio, em 34 cenas cruéis. A igreja passou aos jesuítas do Colégio Húngaro, que é responsável por ela até hoje.

Santo Stefano Rotondo  ou Santo Estevão Redondo, em português


O altar atual é uma obra de 1736, de Filippo Barigoni.

Do momento em que escrevi este post até agora, Outubro de 2013, ela só ficou mais maravilhosa, pois finalizaram o restauro dos afrescos. Fui à um Festival de Música e tive o prazer de presenciar as seguintes cenas:

Concerto para cravo, tiorba e voz

Altar na capela dos santos Primo e Félix, iluminado por todos os lados com a luz da manhã

Tambor: O teto circular da igreja

Afrescos restaurados de Santo Estevão

Afrescos restaurados de Santo Estevão

Afrescos restaurados de Santo Estevão

Endereço e horário de abertura:
Via San Nicola da Tolentino, 13
00187 – Roma

Horário durante o inverno:
A igreja fica aberta do último domingo de Outubro ao último sábado de Março com o seguinte horário(hora solar):
De 2a a Domingo:
9:30 - 12:30  e  14:00 - 17:00
Horário durante o verão:
De 2a a Domingo:
9:30 - 12:30 e 15:00 - 18:00

Site: