domingo, 25 de junho de 2017

Sobreviver em Roma no verão - dicas de ouro!


Sobreviver Roma no verão, dicas úteis para o verão dos brasileiros na Itália
É verão, que em Roma é como estar no Rio de Janeiro no período mais quente do verão carioca, mas mais do que isso, num daqueles verões memoráveis de quente. Aqui vão conselhos para brasileiros se sentirem bem no verão italiano: Bem-vindo à Roma no verão!

Villa D'Este, arrederes de Roma


Desnecessário dizer que água, chapéu/boné e filtro solar (para quem precisa) são preocupações básicas para qualquer viagem no verão. Em Roma as temperaturas superam tranquilamente os 30 graus e com a humidade se fazem sentir ainda mais quentes. A única alternativa (existe uma!) para curtir as suas férias em Roma é um pouco de disciplina aliada à capacidade de adaptação. 

Salada no verão, a melhor opção para o almoço!


Quem está de férias quer acordar tarde, tomar café da manhã e sair para passear tarde e com calma. Neste período é aconselhável mudar esta rotina para acordar muito cedo, sair o mais cedo possível do hotel para curtir praças e áreas arqueológicas, e em torno às 11.30h-12h já estar de volta ao hotel para tomar um banho refrescante antes do almoço (mais uma vantagem do conselho de "Onde ficar em Roma") num restaurante por aí.


Vila Borghese, ótima opção para as horas quentes do dia


Claro que a vontade é de comer uma boa pasta com vinho, pois estamos na Itália! Mas se preferirem comidas leves como saladas e verduras e deixarem o vinho/cerveja (sim, há ótimas cervejas na Itália, como a Menabrea!) para a noite, o corpo (e de consequência, a mente!) agradecerá uma boa quantidade de vitaminas e sais minerais de fonte natural.



Tendo saído bem cedo (já disse a palavra "cedo" o suficiente para entender que "cedo" é a palavra de ordem no verão?) do hotel, as horas do sol mais quente, das 11.30 até às 16.30 são ideais para descansar e quem sabe até ler um pouco sobre os próximos passeios. Saber sobre os lugares que vai visitar só ajuda a aproveitar melhor a sua viagem - para não dizer que é fundamental...

Peônia, Jardim Botânico


Roma é uma cidade muito verde e com vários parques. Dê um pulo na Vila Borghese se não puder voltar para o hotel e passe algumas horas embaixo de uma árvore, tomando água, descansando e quem sabe até comendo uma fruta - é período de melancia! Quem sofre com picadas de pernilongo pode ter uma garrafinha de repelente para quando estiver no verde, ou se for jantar em algum lugar ao ar livre, com árvores e plantas. A "zanzara-tigre" dá uma picada bem desagradável, facilmente evitável se você está protegido.


Subterraneos de Roma, ótima alternativa para o verão


A mochila ou as bolsas vão te incomodar menos se forem leves. Se puder, coloque as informações (mapa/guia) que precisa no celular ou tablet e saia de casa o mais leve possível, com uma mochila de lona bem leve. A única outra coisa que você tem que ter é uma garrafinha de água para encher nas fontes: a água das fontes é potável, gelada e gratuita. 

Água potável em quase todas as esquinas...


A grande vantagem da maior parte das igrejas no verão é que são lugares frescos, e lugares frescos são música para os seus ouvidos no verão de Roma. E é aí que você tem que lembrar que apesar da temperatura ser parecida, Roma não é o Rio e nem é praia, e para frequentar igrejas (que além de serem lugares frescos são verdadeiros museus!) é necessário ter os ombros e joelhos cobertos por uma questão de respeito - "decoro" em italiano e português! Eu prefiro mangas longas no verão pois realmente não gosto da sensação do sol forte na minha pele; se você adorar camisetas sem manga ou vestido de alças, tenha sempre um lenço grande para colocar nas costas e cobrir os ombros para entrar nas igrejas. O vestido tem que ser abaixo do joelho.

Jardim Italiano da Villa Farnesina


Se você tiver vontade de fazer um passeio aos arredores de Roma, aproveite para conhecer a região dos lagos, pois fica no alto (quase 350m sobre o nível do mar) e se os antigos romanos e os papas passavam o verão lá, talvez seja uma boa ideia seguir o conselho ;)



Além do básico de Roma que deve ser visto, os subterrâneos de Roma garantem uma excelente alternativa de passeios por causa da temperatura, sempre muito mais baixa do que na superfície.

A minha dica de museu para o verão são os meus amados Museus Capitolinos! O Ara Pacis também dá um excelente passeio noturno!

Museus Capitolinos de noite


Curiosidade: os romanos não gostam de ar condicionado. Mas eles sabem que muitos estrangeiros gostam (os americanos ainda são bem mais conhecidos por aqui); isso quer dizer que nem todo lugar que você entrará terá ar condicionado. Mesma coisa com os meios de transporte público: nem todos terão o ar condicionado ligado. Evite meios de transporte público nas horas do rush - e esse conselho é válido o ano inteiro.

Reprograme seus hábitos para curtir Roma, que tem uma luz maravilhosa no verão, flores em todos as varandas, um por do sol de sonhos e uma vida noturna que é curtida demais, também por causa da temperatura. Se for reservar uma ópera nas Termas de Caracalla , faça-o com antecedência, pois os ingressos se esgotam rapidinho.

domingo, 18 de junho de 2017

Souvenirs alternativos em Roma

Este post é aquele que deveria ter sido escrito o mais tardar dois anos atrás, mas entre uma coisa e outra ficou sempre para depois.  Quem não gosta de comprar uma lembrança do lugar que visitou? Para isto, temos o post clássico: Souvenirs em Roma onde conto de uma loja que tem tudo (até máscara do carnaval de Veneza quiseram uma vez e eu não sabia indicar antes de conhecer esta), mas sobretudo aqui você encontra vendedoras simpaticíssimas que são brasileiras.

Adrian, da Polvere di Tempo em Trastevere

Para os mais ousados que quiserem levar alguma coisa de alternativo para casa, vou sugerir "coisas do meu canto", isto é,  Trastevere, lojas de amigos que fazem coisas realmente especiais.

"Polvere di Tempo" - a loja do Adrian em Trastevere

Anéis com a escrita Carpe Diem e relógio solar

O Adrian é um argentino simpaticíssimo e quando você entrar na loja dele pode até ser que ele esteja ouvindo Maria Rita. Arquiteto de origem italiana, Adrian hoje trabalha como artesão na sua loja, construindo mapas e clepsidras, mas, dito em um modo mais poético, ele produz com as mãos coisas que tem a ver com o espaço e tempo.

Pingentes com símbolos astrológicos

Adoro, por exemplo, o anel com o relógio solar coma escrita "Carpe Diem", que foi uma das primeiras coisas que comprei aqui, duzentos anos atrás. Uma quantidade de pingentinhos com símbolos astrológicos, pulseiras, bússolas, marca-livros com a planta baixa de praças de Roma, broches e cadernos feitos à mão são exemplos do que você poderá encontrar aqui.

Polvere di Tempo
Via del Moro, 59
das 10h às 19h

Oficina della Carta - os cadernos da Gaetana de Trastevere

A Gaetana tem a formação clássica de artesã de livros e faz cadernos maravilhosos. Caixas de presente, papel de carta, estojos, porta-retratos, canetas-tinteiro, tintas e carimbos com letras e cera para fechar cartas - como antigamente ;) . Óbvio que eu tenho o meu "P"!


Canetas-tinteiro

Carimbos personalizados

Artigos de papelaria artesã

Artigos de papelaria artesã

Oficina della Carta
Via Benedetta, 26b
das 10h às 13h - das 15.30 às 19.30h
  
Ivano Langella, ourives em Trastevere

Já pensou em comprar seu anel de noivado em Roma? E se fosse de um artesão que produz poucas peças para que seu anel ou aliança seja ainda mais especial? O Ivano oferece uma grande variedade de jóias em prata, absolutamente pagáveis e com o toque de criatividade do artesão local.

Jóias em prata de Ivano Langella

Eu tenho o "meu Coliseu" (que até rima!), mas adoro tudo o que ele faz.








Ivano Langella
Vicolo del Bologna, 14
Marcar hora no celular: +39 333 420 9100 

Na famosa feira de Campo de Fiori, existe um artesão que confecciona as próprias pulseiras de couro com nomes e frases famosas que lembram Roma, como "Veni, vidi e vici", ou "SPQR", os times de futebol da cidade ou nomes próprios, além de vender cintos de couro.




Pulseiras de couro em Campo de FIori

Esta é uma ideia de souvenir-lembrança de Roma para quem tem que levar vários presentes para sobrinhos, primos, etc.. as pulseiras são accessíveis e de excelente qualidade, além de possuir uma das principais características de Roma que é a excelência do trabalho manual.


Pulseiras de couro em Campo de Fiori

Pulseiras de couro em Campo de Fiori

Campo de Fiori (atrás da estátua do Giordano Bruno, que fica no meio da praça)
das 09h às 13h


E bons passeios na cidade eterna!
Para fazer um tour na Itália com guia em português não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

domingo, 11 de junho de 2017

Segesta, na Sicília

Área arqueológica na Sicília: SEGESTA 

 

Templo dórico na Sicília

No verão italiano a palavra de ordem é: MAR! A partir do início de Junho, em Roma o pessoal fica maluco e já começa à ir para a costa durante os fins de semana; meu preferido é a Sicília, isso já está claro para os leitores do blog, e aqui falaremos de Segesta na Sicília, um sítio arqueológico maravilhoso perto de Trapani e Alcamo (onde produzem um vinhozinho branco, que eu vou te contar....).

O lugar era ideal para construir uma cidade, pois a altura da colina constistia numa defesa natural, a terra era fértil e a chegada ao porto (hoje, Castellamare del Golfo) era "ali do lado".

lateral do templo Dórico de Segesta

Segesta é uma das áreas arqueológicas com um templo dórico conhecido pelo seu excelente estado de conservação, além de ser um lugar extremamente sugestivo. Graças à dificuldade de acesso ao templo, ele não foi utilizado como “pedreira” nos períodos sucessivos à decadência da cidade - destino infame de inúmeros templos antigos e do próprio Coliseu!

Teatro de Segesta
 

Na antiga Segesta habitavam os Elímios, um povo que acredita-se ter sido uma mistura de sicanos (autóctonos) e anatólios (estrangeiros imigrados provavelmente da Anatólia), com uma influência grega iônica . A cidade cujas ruinas vemos hoje foi provavelmente fundada após à queda de Troia, no final do II milênio a.C., período de guerras, terremotos e de consequência muitas mudanças ao mundo hegemônico de Creta.

Vista do templo de Segesta, Sicilia

Se alguém se apaixonar pelo tema, a cidade de Segesta foi mencionada por fontes antigas importantes: Tucídides e Diododoro Sículo (ou Diodoro da Sicília), Políbio, Cícero e Tácito.

Interessante também a origem do nome "Elímio", pois élymos para os gregos era um tipo di milho e "Elymoi" era o "comedor de milho" - um apelido definitivamente depreciativo.

Esta população tinha como antagonista a cidade de Selinunte. A razão principal da rixa entre as cidades era a luta pelo porto com saída para o mar Tirreno (com óbvia intenção de comerciar com os Etruscos).
Foi uma das primeiras cidades a passar para o lado dos romanos no início das Guerras Púnicas.
.

Teatro de Segesta

O que vemos hoje neste lugar com tanta história e provavelmente destruído pelos Vândalos.

O templo que vemos quando subimos o Monte Bárbaro, mais precisamente na altura de 305m sobre o nível do mar, é o templo dórico que foi construído no V séc. a.C. fora dos muros da cidade. 

Teatro de Segesta, Sicilia

Suas dimensões monumentais de aproximadamente 56x21m possuem ainda 36 colunas de pé. Interessante o que nos contam os arqueólogos, êita raça de gente inteligente: eles afirmam que a construção do templo não foi finalizada e que a estrutura foi construída de fora para dentro, e por isso não existe a “cella”, isto é, a estrutura fechada por paredes onde fica o “simulacro”, isto é, a estátua do deus ou deusa a quem é dedicado o templo.

Além disso, nem chegou-se perto do acabamento final da decoração do templo, cujas colunas ainda teriam que ter as canaluras esculpidas, para ser posteriormente coberto de branco. Imaginem:

 Templo de Segesta, Sicilia - grafica explicativa templo não acabado

Exatamente por não ter sido terminado, o templo pode ter sido salvado da destruição (também uma hipótese dos arqueólogos).

Os dois outros centros do povo Elímio eram Erice (Trapani) e Entella (Palermo). Como essas três cidades eram construídas no alto, elas podiam se comunicar através de sinais!


Vista do templo de Segesta

Um bom quilômetro de uma subidona íngreme nos leva à antiga cidade. Este trajeto pode ser feito com o ônibus, onde podemos apreciar traços dos muros de proteção da cidade e , caminhando nas antigas ruas, nos dirigimos ao antigo teatro grego, uma estrutura parecida com o que vemos em Taormina, onde o muro que fecha o teatro não existe mais (arquibancada em excelente estado de conservação!). O teatro grego (por não possuir arquibancadas que se autossustentam, mas que foram cavadas na rocha) foi restruturado e ampliado pelos romanos no I séc. a.C..
Hoje em dia é utilizado para espetáculos durante o verão.

Pasta típica da região com verdura

Verduras e pratos típicos da costa ocidental da Sicília

Lá do alto, podemos apreciar o mar entre as montanhas, imagem extremamente pitoresca e que exige de nós um grande esforço para poder imaginar como deve ter sido a cidade quando era populada!

Os edifícios e as construções que podemos apreciar hoje no sítio arqueológico de Segesta são provavelmente do tempo do tirano de Siracusa, Agátocles (361 a.C. — 289 a.C.). Durante as escavações modernas, foram desmontadas estruturas do período dos Normandos (XII séc.), e até uma mesquita! Na estratificação da cidade foi também encontrado um cemitério do XIV século!

Para mim é sempre uma emoção de grande impacto, quase religioso, poder apreciar estas cidades antigas e suas construções lindíssimas e tentar imaginar o que era a vida lá 2600 anos atrás... a Sicília é sempre a minha “Terra Prometida”.

E por que as excursões na Sicília são sempre acompanhadas de refeições inesquecíveis e, no caso da Sicília Ocidental, regadas ao vinho Bianco D'Alcamo, segue a dica de onde comer aqui perto.

A pasta acima é um strozzapreti com verduras do restaurante que fica ali perto do sítio arqueológico,  "Ristorante Mediterraneo Segesta" que fica da saída Calatafimi Segesta na estrada A29. Site: http://www.meditsegestacapolinea.it

Endereço do "Templo de Segesta"
Contrada Barbaro, 91013 Segesta, Calatafimi TP

Abertura: das 09h às 18.00h
Ingresso  € 6,00 e meia: € 3,00