terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Casa Beleza

A gente sempre brinca que em qualquer lugar de Roma onde você quiser fazer um buraco, vai encontrar um ruína romana....vou postar aqui o link de uma casa que foi descoberta em 1958 mas nao é aberta ao publico....temos que nos conformar em ver o site com as fotos...


A domus do largo Arrigo VII foi descoberta em 1958, durante a restruturaçao da casa que tinha sido construído na década de trinta.
A domus (que quer dizer casa em latim e indica casa de nobre em arqueologia), também chamada de "Casa Bellezza" dada pelo proprietário,o diretor de orquestra Vincenzo Bellezza, é um exemplo importante de casa da alta sociedade do final da época republicana (509 a.C. - 27 a.C.).

A estrutura da habitação que, provavelmente, dava para a atual Via di Santa Prisca (Publicius clivus) esta' atualmente a 12 m de profundidade e é composta por duas salas com afrescos, construída em alvenaria com inserções abertas em um opus criptopórtico em concretum, além de uma terceira sala ainda completamente coberta, mas também provavelmente afrescada. Do criptopórtico ainda pode-se ver um braço completo, enquanto que os outros dois são parcialmente visíveis, interrompidos por fundações de uma obra tardia. Na junção dos braços do criptopórtico abre-se um corredor que levaria à uma rampa ao plano superior, infelizmente destruído.

Veja o vídeo de  2min45seg com esta maravilha: https://youtu.be/OB8OqvmH0iE

Esta casa está fechada para visitas ao público, como disse no início deste post, mas em Roma existem infintos monumentos que podem ser visitados, como mitreus, catacumbas e igrejas subterrâneas (escavadas ao longo dos séculos). Este tipo de excursão é muito emocionante e ideal para quem já veio à Roma algumas vezes ou terá uma estadia longa na cidade eterna.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A Necrópole Vaticana

POST UPDATE DIA 02.02.2016.

Um dos passeios mais emocionantes de Roma... não se pode tirar fotos "lá embaixo" (é tudo subterrâneo, "dois andares" embaixo da atual Igreja de S. Pedro), mas tem um site muito bom com o passeio "on line" aqui: http://www.vatican.va/various/basiliche/necropoli/scavi_italian.html - cliquem em "Cliccare qui per iniziare la visita" e tenham paciência com o padre que fala um monte no início por que depois vale a pena!

Marque a tua visita antecipadamente, é obrigatório.
O passeio dura um pouquinho mais do que uma hora e 15 minutos com uma guia e é realmente excepcional! O tour custa  € 13. Este passeio é feito com guia exclusiva dos Museus Vaticanos. Em alguns casos, com antecedência, consigo obter tickets para o passeio, mas não ofereço visitas guiadas, pois não trabalham guias privativas neste caso, somente guias do próprio Vaticano.


A gente entra pelo lado esquerdo, perto do escritório e da saida da gruta vaticana (é aí que estava colocado o obelisco de 21m (um dos menores de roma!) que estava no antigo Circo de Nero, e que foi transferido ao centro da Praça de S. Pedro.

Você vai descendo, descendo num ambiente super úmido (mantido assim por meios artificiais para favorecer a conservação)... e vai se encontrar no meio da antiga necrópole que ocupava aquele espaço desde o fim do I século d.C. Era e-nor-me. Chegava até Castel Sant'Angelo, nas margens do Tibre, a 1,1 km da Basílica!).
Em 1940 o Papa resolveu cavar pra ver o que tinha lá embaixo, dado que desde tempos remotos se sabia que tinha uma necrópole, mas ninguém nunca tinha escavado....

Trata-se de um cemitério de "homens livres", ex-escravos que tinham conseguido um nível de vida bom e podiam pagar para ter uma sepultura descente. Interessante é a mistura de diferentes cultos: os escravos eram trazidos dos mais diferentes lugares à Roma, e de consequência traziam consigo diferentes bagagens culturais.

Seção longitudinal da atual Basilica de S. Pedro.

I. (em vermelho) Basílica Atual: 1. Sepultura de São Pedro; 2. Altar papal de Clemêncio VIII; 3. Baldaquino do Bernini; 4 Estatua de bronze de São Pedro.

II. (em preto) Grutas Vaticanas 5. Sepultura de Pio XII; 6. Capela Clementina; 7. Confessionário "Sancti Petri"; 8. Sepultura de João Paulo II*; 9. Sepultura de João Paulo I; 10. Sepultura de Paulo VI; 11. Sepultura de Bonifácio VIII

III. (em azul) Necrópole Vaticana

* A tumba do Papa João Paulo II foi transferida para a Capela de São Sebastião, na Basílica de São Pedro .

Se começa com a tomba "egípcia". Ao lado tem um sarcófago com uma inscrição que poderia ser uma "Diana"... como poderia ser outras coisas também; vi muitos paredes decoradas lindamente com mosaicos, pássaros e flores... lembrava muito o tipo de pintura das casas de Pompéia.
Enfim, não perca este passeio!

Preço da visita à necrópole, com guia oficial da Cidade do Vaticano: 13 euros. Para reservar, escreva a Ufficio Scavi scavi@fsp.va com pelo menos 3 meses de antecedência!

Gostou das informações que encontrou aqui? Deixe um comentário!

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Tivoli - Villa Adriana


«Fui à Tivoli, onde admirei uma das mais sublimes visões ofertas pela natureza. Aquelas cascatas, as ruínas, a paisagem... 
tudo aquilo está entre as coisas que nos fazem profundamente mais ricos.»
Goethe, 1786 


Praça D'Oro, Villa Adriana, Patricia Carmo Baltazar

Vale a pena fazer um bate-e-volta à Villa Adriana em Tivoli?


A Villa Adriana fica a 30 quilômetros do centro de Roma.

A Villa Adriana entrou na categoria dos monumentos Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1999, com muitos outros famosos sítios arqueológicos e mesmo que ela seja conhecida e tenha sido escavada há mais de quinhentos anos, mantêm-se desconhecida a função de grande parte dos seus edifícios.

Canopo, Cariátides, Villa Adriana, Foto de Giulia Cantisani
Villa Adriana 

Breve história de Villa Adriana

Villa Adriana em Tivoli foi construída em três momentos entre os anos de 117 d.C. e 133 d.C. pelo Imperador Adriano para ser a sua residência imperial. Este é o mais importante e complexo de edifícios imperiais que permaneceu da antiguidade; a área arqueológica era originalmente o dobro que Pompéia e hoje temos 40 hectares para visitar.

Guia de Turismo, Villa Adriana, Roma
Villa Adriana, Tivoli

Villa Adriana foi um espaço vivido até a Antiguidade tardia e foi depredada por Totila; viveu longos séculos de abandono, durante o qual se tornou "Tivoli Antiga", uma pedreira de mármore e tijolos para a cidade vizinha de Tivoli e seu bispo. No final do século XV, Biondo Flavio identificou-a novamente como a Vila do Imperador Adriano descrita na História Augusta (de um autor desconhecido, sobre a vida dos imperadores) e naquele período o Papa Alexandre VI promoveu as primeiras escavações no teatro Odeon, durante a qual as estátuas e importantes mosaicos foram descobertos e levados para museus no exterior.

Três Exedras, VIlla Adriana


Sua fama foi consagrada pelo Papa Pio II Piccolomini, que visitou e descreveu em seus Comentarii.
Como é de se esperar, os tesouros da villa foram ao longo do tempo "incorporados" (que bela expressão, huh?!?) nas vilas dos nobres que lá primeiro chegaram.

Canopo, Villa Adriana


Durante a primeira escavação foram encontradas muitas estátuas de Musas, "salvas" para o olhar do público, hoje no Museu do Prado em Madrid.

Pequenas Termas, VIlla Adriana

Pode-se dizer que por essa razão, a Villa Adriana é uma das boas alternativas para os visitantes que se encontram em Roma e que não tenham tempo para fazer uma viagem de trem tão longe, para ver  um exemplo de construções do período imperial das famosas Pompéia e Herculano, perto de Nápoles. Sim, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, isto é: Pompéia e Herculano eram cidades onde pessoas viviam. Aqui temos um exemplo monumental de residência imperial, não existem estabelecimentos comerciais, templos e ruas transitadas por cidadãos como podemos apreciar na também perto de Roma, em Ostia Antiga http://guiaderoma.blogspot.it/2013/12/ostia-antica.html.

Grandes Termas, Villa Adriana
Tivoli, foto de chogenbo

Hoje em dia a Villa Adriana é utilizada para a apresentação de espetáculos de teatro e música durante o verão.

Canopo, Foto Giulia Cantisani
Palco montado em Junho de 2014 para espetáculo de dança

Canopo,  Villa Adriana, Foto de Giulia Cantisani
Cair da tarde na Villa Adriana

O percurso básico que sugerimos com a guia é de visitar as termas, piscinas, a suposta Aula Regia, salas de estar (triclini), salas de reuniões, alojamento dos escravos, ruas, templo de Vênus, Teatro Greco e aposentos servis. Vamos ter uma idéia do que significava "mansão" para um imperador romano no século II d.C. além de conhecer os hábitos alimentares de Adriano e seus servos.

Praça D'Oro, Villa Adriana

Infelizmente não posso colocar a minha mão no fogo pelos meios de transporte que levam à Tivoli; neste caso aconselho fortemente um motorista que acompanhe comodamente a excursão!
Para informações, por favor escreva um email patcarmobaltazar@gmail.com.

Como chegar na Villa Adriana

Se quiser mesmo ir com os meios de transporte público, é necessário pegar o metrô B em dirão Rebibbia e descer em Ponte Mamolo, de onde partem das plataformas, os ônibus para Tivoli. Antes de ir à plataforma, é necessário descer ao subsolo da estação, em direção ao bar, onde compra-se no caixa os tickets de ida e volta para Tivoli. Voltar para o andar superior e ir à plataforma no fundo, de onde partem os ônibus para Tivoli.
Os ônibus marcados com "autostrada" ou "A24" sao mais rápidos: escolher a linha que pega a autoestrada para ir direto à área arqueológica. Para ir à Villa d'Este, desça na Piazza Garibaldi. Perguntar para o motorista onde descer, esta é a prasse aqui! Essa operação dura aproximadamente uma hora e pouco do centro e custa ~ € 7.

Villa Adriana, Templo de Diana


Horário Villa Adriana: 9.00-à uma hora antes do por do sol. Fechado: 1° Janeiro, 25 Dezembro.
http://www.villaadriana.beniculturali.it/

Ticket entrada: inteiro € 12,00; reduzido € 8,00. Em ocasiões de mostras especiais: € 9. Audioguia: disponivel em italiano, ingles, frances e espanhol. Custo: 4 euro.

Villa Adriana faz parte do nuovo circuito Roma&Più Pass.

Horario de abertura Villa D'Este:
***reserva obrigato'ria: email: villadestetivoli@telekottageplus.com
http://www.villadestetivoli.info/index.htm

Aqui um vídeo muito lindo da Villa D'Este, do jornal La Repubblica: http://video.repubblica.it/edizione/roma/tivoli-villa-d-este-vista-col-drone/161948/160439

Janeiro: entrada 8,30-16,00; saida: 17,00
Ticket entrada: inteiro € 8; reduzido € 4.

Fevereiro: entrada 8,30-16,30; saida: 17,30

Março: entrada: 8,30-17,15; saida: 18,15

Abril: entrada: 8,30-18,30; saida: 19,30

Maio: 8,30-18,45; saida: 19,45

Junho: 8,30-18,45; saida: 19,45

Julho: entrada: 8,30-18,45; saida: 19,45

Agosto: entrada: 8,30-18,45; saida: 19,45

Setembro: entrada: 8,30-18,15; saida: 19,15

Outubro: entrada 8,30-17,30; saida: 18,30

Novembro: entrada: 8,30-16,00; saida: 17,00

Dezembro: 8,30-16,00; saida: 17,00

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Os Etruscos

Aqui vai um sintético post sobre Quem Foram Os Etruscos 

Etruscos, objetos de corredo funerário
Urnas funerárias ~séc. X a.C.

Sepultura etrusca, Museu Etrusco em Cerveteri
Tampa de sarcófago típico, com "esposos" representados, Museu Etrusco de Cerveteri


Onde viveram os Etruscos


Os etruscos foram um povo da Itália antiga que viveu na Itália a partir do século X a.C. e que viveu numa área chamada Etrúria, que hoje corresponde à Toscana, Umbria ao norte do rio Tibre no Lácio, com ramificações na região da Campânia e no Vale do Pó na Emilia-Romagna e Lombardia.


 Território ocupado pelos etruscos
Etruria, em laranja escuro

Sobre a origem e procedência do povo Etrusco nasceu uma considerável literatura de significado histórico e arqueológico. Até a década de 1970 acreditava-se, como mencionado no parágrafo 94 do livro de Heródoto, que os etruscos viessem da Ásia Menor, chegando à costa italiana após um período de carência de alimentos no território onde viviam.


Estatuetas realizadas pelo povo etrusco
Estatuetas em bronze que representam "Marte guerreiro", de 500- 380 a.C.

Hoje acredita-se que os Etruscos são autóctones da Itália, que foram os vilanovianos que dominaram o uso do ferro, depois de entrar em contato com os gregos da Magna Grécia e das colônias gregas do sul da Itália.


A civilização etrusca floresceu a partir do século X a.C., atingindo o ápice do seu desenvolvilmento econômico e cultural no século VI a.C. e acabou por ser incluída na civilização romana no final do século I a.C., no final de um longo processo de conquista e assimilação cultural que começou com a tradicional data da conquista da capital etrusca de "Vejo" pelos romanos em 396 a.C. (seguem alguns exemplos de esculturas monumentais que podem ser vistas no Museo Etrusco di Villa Giulia).


Escultura monumental de ceramica realizada pelos etruscos
O famoso Apolo de Veio, escultura monumental em cerâmica
 do ciclo decorativo do Templo de Apolo, séc VI a.C.

Escultura monumental etrusca em ceramica
Hércules, escultura monumental do ciclo decorativo do Templo de Apolo, séc VI a.C.

escultura monumental etrusca, Latona, cerâmica
Latona (detalhe),  do ciclo decorativo do Templo de Apolo, séc VI a.C.

Tarquinia, Arezzo, Perugia e Vejo eram cidades muito mais modernas do que as aldeias do baixo Lácio dos Sabinos e Latinos: todas tinham bastiões de defesa, ruas, mas sobretudo um sistema de esgoto! As cidades eram construídas a partir de um verdadeiro plano urbanístico realizado por engenheiros muito capazes, onde cada detalhe era minuciosamente ponderado e nenhum pormenor da planificação da cidade era deixado ao acaso. Os etruscos não trabalhavam somente o ferro, mas o cobre, o ouro (maestros inigualáveis da filigrana), o estanho e o âmbar.


Seguem algumas fotos de reconstrução de tumbas da zona de Tarquinia, do Museo Etrusco di Villa Giulia:


Sepultura etrusca Tarquinia, Museu Etrusco de Roma

Sepultura etrusca Tarquinia, Museu Etrusco de Roma

Sepultura etrusca Tarquinia, Museu Etrusco de Roma 

O trabalho era bem organizado para o bem da coletividade: através da capacidade etrusca de construir canais e transformar zonas pantanosas infestados pela malária em superfícies úteis à sociedade: eles dominavam a técnica de drenar o pântano! Acima de tudo, temos diante de nós um povo de formidáveis comerciantes que fazia de tudo para multiplicar a sua fortuna.


Ceramica etrusca, Museu Etrusco de Roma
Vasos em cerâmia e bucchero (escuros, abaxo à esquerda)

Seputura etrusca, Museu Etrusco de Roma
Tampa do sarcófago "degli Sposi", obra-prima etrusca dos anos 530-520 a.C., encontrada na Necrópole della Banditaccia, em 1881

Enquanto os romanos não sabiam o que tinha a 60 km ao Norte de onde viviam, os Etruscos já tinham chegado no Piemonte, Lombardia, Veneto e, subindo o rio Reno, comerciavam com franceses, suíços e alemães (que naquele tempo eram populaçoes que não se chamavam assim, obviamente!).


Cerâmica etrusca, Museu Etrusco de Roma
Vasos em cerâmica do período arcaico (VII - IV a.C.)

Roma teve 7 reis, três dos quais eram Etruscos (Tarquinio Prisco, Servio Tullio e Tarquinio o Soberbo) e trouxeram aos romanos, simples pastores, todos os segredos da construção de templos, estradas, pontes e aquedutos (que em parte funcionam até hoje!)! 


Cerâmica, Museu Etrusco de Roma
Cerâmica do Museo Etrusco di Villa Giulia

Recapitulando, entre as cidades etruscas mais importantes, temos:

Veio, perto da atual Ilha Farnese, a mais ou menos 20 km de Roma na Via Cassia;


- Ceres (perto da atual Cerveteri) a 45 quilômetros de Roma sobre a Via Aurelia - onde foram feitas as fotos deste post;


Tarquinia a 90 km de Roma sobre a Via Aurélia.
Outras cidades na margem direita do Tibre:
Falerii Vetus (Civita Castellana), perto da Via Flaminia, a 55 km de Roma.
Capena, perto da aldeia Civitucola, não muito longe de hoje Capena, a 40 km de Roma sobre a Via Tiberina. 

Feronia era um grande santuário onde se realizava uma feira de vasos de "bucchero" - o bucchero é uma cerâmica que apresenta uma composição uniforme de cor preta e uma superfície muito lúcida, obtido através de uma queima com pouco oxigênio. Uma descriç
ão técnica para dizer que os etruscos tinham desenvolvido um tipo de cerâmica que imitava o ferro, mas com um custo muito menor|


Vaso de bucchero, Museu Etrusco de Roma
Maestria etrusca: Vaso de Bucchero - a cerâmica que imita o ferro

É muito difícil não se apaixonar pelos etruscos: amavam comer e organizavam enormes banquetes, amavam a música, a dança e os jogos.
Em Roma  implantaram em 509a.C. a cloaca massima, isto é, a primeira rede de esgotos de Roma que funciona parcialmente até hoje.


Características do povo Etrusco


Eles utilizavam cores brilhantes para suas roupas, suas casas e templos, até mesmo os túmulos e sarcófagos eram coloridos; eram refinados, cercados por objetos que vinham dos quatro cantos do mundo então conhecido; realizavam jóias em ouro com uma técnica especial que se chama "granulazione", que apesar dos esforço nos dias de hoje para compreender esta técnica, ainda não foi completamente desvendada a técnica etrusca


Fragmentos do santuário de Pyrgi, cidade etrusca, Cere, perto de Roma
Reconstrução de parte do santuário de Pyrgi (antiga Cere, a 50km ao norte de Roma), ~460 a.C.

Marte de Todi, escultura importante etrusca, V século a.C.
"Marte di Todi", escultura do séc  V a.C., 141cm, onde o deus é representado realizando rituais antes de uma batalha - Museus Vaticanos (descoberta em 1835, nos arredores de Todi)

Existem poucos exemplares deste trabalho porque os ladrões de tombas nos deixaram bem poucas coisas para admirar, mas o que chegou até nós são peças de incomparável maestria.

Na sociedade etrusca as mulheres tinham um estatuto de igualdade com os homens, sentavam-se ao lado de seus maridos durante os banquetes, participavam de cerimônias religiosas e assistiam aos jogos de esportes, o que naquele tempo era visto como uma coisa escandalosa em todas as outras sociedades! Mas sobretudo... a mulher etrusca recebia uma educaç
ão!

A independência administrativa das cidades etruscas terminou com a "Lex Julia", de 89 a.C..


Reserve seu tour com guia brasileira em Roma com antecedência! Preencha o formulário aqui para que eu possa enviar um orçamento o quanto antes: http://www.guiabrasileiraemroma.com.br/#!contato/c1lmm


Onde ver objetos que testemunham a presença dos etruscos em Roma?


Museu Etrusco de Villa Giulia

Piazzale di Villa Giulia, 9
00196 Roma, Italia
tel. (+39) 06 3226571 e fax (+39) 06 3202010
E-mail: sba-em@beniculturali.it

Preço do ingresso: intero € 8,00, reduzido € 4,00


Horário de abertura:

de terças aos domingos, das 8:30 às 19:30; a bilheteria fecha às 18:30; o museu fechas às segundas-feiras, 1° Janeiro, 1°de Março e 25 de Dezembro. Se, uma segunda-feira (no dia que o museu esta' fechado), for um feriado, o museu abrirá.

Museu Etrusco de Cerveteri
Piazza Santa Maria 00053 Cerveteri
Como chegar de Roma : Autostrada A 12, uscita Cerveteri.
Via Aurelia SS 1, al Km 41,4, bifurcação para Cerveteri: seguir indicações

Horário de abertura: terça - domingo 8,30-19,30;
bilheteria fecha às  18,30.
Fechado: segundas-feiras, 1º de Janeiro e 25 de Dezembro

Preço do ingresso:
Ingresso: inteiro € 6,00 -  meio € 3,00;
Combi:  intero (necrópole + museu) € 8,00, Combi meio (necropoli + museo) € 4,00

Necrópole de Cerveteri: Necropoli della Banditaccia di Cerveteri
Piazzale Mario Moretti (già della Necropoli)
Horário de abertura: terça - domingo 8,30-19,30;
bilheteria fecha às  18,30.
Fechado: segundas-feiras, 1º de Janeiro e 25 de Dezembro

Preço do ingresso:
Ingresso: inteiro € 6,00 -  meio € 3,00;
Combi:  intero (necrópole + museu) € 8,00, Combi meio (necropoli + museo) € 4,00

Clima de Roma

A cidade de Roma está localizada a uma altura média de aproximadamente 20 metros acima do nível do mar, em uma vasta planície, limitada a oeste pela costa do mar Tirreno e ao leste com as primeiras cadeias montanhosas dos Apeninos.

Em geral, podemos dizer que o clima de Roma é temperado, com valores muito suaves no litoral, e moderadamente frio, especialmente no inverno nas áreas internas - Roma é uma cidade muito úmida!


Vamos ver mais ou menos a descrição das estações e o que vestir em cada período:

Primavera:



Primavera em Roma, alcaparra floresce em Maio-Junho
Flor de alcaparra

Esta época em Roma pode ser muito variável. A instabilidade do ar dá origem a fenômenos e locais de intensas trovoadas. Em geral, de manhãzinha é frio, na hora do almoço é quente, temperatura que chega à 20, 21°, mas depois cai com a tarde. É o período onde temos que prestar mais atenção em não nos resfriar!
O início da Primavera traz temperaturas ainda baixas de manhã e ao cair do sol, mas a temperatura aumenta com a ascenção do sol, para depois cair de novo.  

Março é o mês apelidado de "Marzo pazzo" , isto é o Março louco de Roma, pois pode ter chuva de granizo, solzão, ou ser cinza e chuvoso. A temperatura mínima é de 6° e a temperatura máxima de  18°. Temos que nos vestir com várias camadas para nos sentirmos bem ao longo do dia.

O início da Primavera tem muito vento, fazendo com que o clima seja instável, com o avanço da época a temperatura é estabilizada e o clima é ameno.
Em maio, o clima tende a se estabilizar, com ondas de calor possível e tempo claro intercaladas com um friozinho nas horas mais altas da tarde.


Primavera em Roma, como se vestir em Roma - Patricia no Jardim de Nifa
Eu vivo com casacos e malhas penduradas na bolsa no final da Primavera

Passeio nos arredores de Roma, clima em Roma
Aqui com este grupo, estávamos nos lagos, a ~350m sobre o nível do mar; mesmo com sol pode ter um arzinho mais fresco; repare: cada uma sente a mesma temperatura em um modo completamente diferente da outra!


Como vestir-me na Primavera:

Jeans ou uma calça de lã fina podem dar conta do recado. Se forem friorentos, tem que usar uma ceroula e camisetinha embaixo da camisa para esquentar!
Em Abril chove muito, é bom ter uma capa daquelas levinhas que a gente coloca na bolsa; naturalmente sapatos fechados, bons para caminhar são o ideal!

Em Maio as chuvas devem ter parado e as temperaturas na hora do almoço aumentam bastante; a gente tira o casaco, malha e pode ficar de camiseta! Com o passar das horas, lá pelas 16h, 17h, começa a esfriar de novo e a gente veste tudo. De noitinha ainda pode ficar frio, e apesar de já vermos muitas mesinhas de restaurantes na rua, de noite ainda faz frio!

A primeira metade de Junho já é praticamente "verão". O tempo têm estado muito louco, não como era antigamente, mas este período já começa a ser bem quente! Camisetas e até bermudas podem ser necessárias. Aqui a gente caminha muito pela cidade inteira -  por isso aconselho sempre sapatos confortáveis para não cansar nem machucar os pés.

Ah! Sapatos novos em viagens: cuidado ao comprar sapatos novos para a viagem, pois eles podem causar bolhas e darem trabalho em viagem. Se comprar sapatos para a viagem, amacie antes e veja se ele aguenta o tranco!

Verão:

O início do verão é muitas vezes perturbado por freqüentes incursões de ar frio a entrar em contacto com o ar quente perto do Tirreno dar origem a tempestades e violentos que ocorrem principalmente no mês de junho. Apesar desta ocorrência ter sido muito comum no passado, com a mudança climática, Junho e Maio, se apresentam como ótimos meses para visitar a Cidade Eterna. A partir de Julho há uma estabilização da temperatura, com sol e ventos calmos.

A alta pressão que garante um elevado número de horas de luz do dia e, assim, um consequente aumento da temperatura do ar (que entretanto não é diretamente aquecido pela luz solar, mas que é aquecido pelo calor contido no pavimento) provoca um efeito de rotação e compressão ar-se em camadas mais baixas. Em consequência disso, podemos ter um aumento de temperatura, causado também pela umidade; pode ser cansativo ficar muitas horas exposto ao sol e à umidade.


O final de Junho, Julho e Agosto têm tido temperaturas muito quentes, que podem chegar à 37°C e noite também bem quentes.


Como vestir-me no Verão de Roma:

Quando o verãozão chega, bom mesmo é estar de bermuda, shorts ou vestido de alcinha... mas lembrem que você só pode entrar nas igrejas com ombros e joelhos cobertos, isto é, para entrar em 99% do patrimônio cultural do centro-histórico você tem que ter (no caso dos homens) uma camiseta e uma bermuda abaixo dos joelhos, e no caso das mulheres um lenço para cobrir os ombros; minissaia nem pensar! Na verdade, até chinelos de dedo (amados pelos americanos) "não são bem vistos" pelos responsáveis das igrejas; nos lugares muito cheios de gente, como por exemplo a Capela Sistina ou a Basílica de São Pedro, você pode tomar pisões no pé nada agradáveis! Reflita se chinelo é sapato para ir a museus!

Aposte nos tecidos leves, cubra a cabeça e se possível, tenha também um chapéu ou boné para as horas de sol quente, isto é, das 09h às 17h!

Verão em Roma, como se vestir
Com as amigas indo passear nos lagos - olha, direi que aí até falta um chapeuzinho!

Guia de Turismo nos Museus Vaticanos
Evite vestidos com ombros descobertos, poderia ter dado problema na entrada dos Museu Vaticanos!

Outono:

No final da temporada de verão no mês de setembro, a circulação atmosférica assume uma forte instabilidade. Nessas situações, Roma é afetada por uma queda de temperatura, seguida ao longo da temporada por uma diminuição progressiva da pressão e um aumento significativo na precipitação, com um pico em novembro (112 milímetros), o que pode fazer com que as temperaturas mínimas subam poucos graus e haja um leve aumento da temperatura média. À medida que entramos na estação, principalmente no final de novembro e início de dezembro, a cidade é muitas vezes mais exposta à invasões de ar frio, principalmente do Norte / Nordeste, que trazem uma redução considerável na temperatura, ventos fortes e céu claro. Podemos ter dias lindos com sol, apesar do frio.


Como  vestir-me no Outono de Roma:

O Outono aqui em Roma é maravilhoso, pois não faz aqueeele frio - lógico, a temperatura cai, mas uma malha basta para o início e o final do dia, pois na hora do almoço o sol ainda esquenta bem!

passeio de noite em Roma
Passeando por Roma de noite

De noite,  no começo de Outubro, já me vesti errado e passei frio! O pessoal é que se vestiu bem: precisava de uma malhinha, pois apesar da temperatura não estar muito fria, quando venta a gente sente frio, sim!

Olha esta foto que fizemos quando comemoramos o aniversário de Giulia, a minha melhor amiga, nos primeiros dias de Novembro, na área arqueológica da Villa dei Quintilli:

pic nic em Roma
Fazendo um pic nic entre as ruínas

Inverno:

Depressões no início da época são freqüentes e intensas que se originam no Golfo da Ligúria e afetam o clima de Roma. Com o avanço da temporada diminuem gradualmente para um mínimo em Janeiro, que têm um certo nível de pressão alta. E assim foi por muitos anos. O que temos observado é uma estação muito chuvosa. Em 2009 choveram 88 dias durante o inverno!


Não é comum nevar, mas o frio às vezes é como um frio de neve, sentimos o cheiro que chega da regiãos dos lagos!

O mês seguinte, fevereiro é muitas vezes caracterizado pela predominância de alta pressão, resultando em fortes incursões de ar frio da Sibéria, resultando em uma diminuição na temperatura, ventos que limpam o céu da nuvens e proporcionam uma luz particularmente intensa perto das horas em torno ao meio-dia, com possibilidade de ver as montanhas de Frascati do centro de Roma.


Nesta situação, os Apeninos desempenham um papel crucial, uma vez que divide o Tirreno do Adriático, favorecendo um forte vento frio com céu limpo na "metade" do Tirreno e chuva forte e neve na parte "Adriática".


Como vestir-me no Inverno de Roma:

No Inverno tem muita chuva aqui! Sapatos impermeáveis, malhas e capas são normalmente necessários. Às vezes o céu limpa e dá dias lindos, mas a tramontana, uma corrente de vento muito frio que chega do norte, pode atacar a qualquer momento, e aí a gente gela mesmo. Ceroulas "obrigatórias", meias grossas de lã, botas e casacão impermeável por cima de tudo e não tem outro jeito!

Transporte público em Roma ( + Aeroportos Fiumicino e Ciampino)

A empresa que cuida do transporte público em Roma se chama ATAC.

As passagens devem ser compradas antes de subiro no ônibus ou entrar no metrô, em lojas onde se vendem tabaco, sinalizadas por um "T" branco dentro de um retângulo preto na porta.

Tipos, preços e validade das Tarifas:

- passagem bit (€ 1,50) dura 75 minutos após carimbar;

- passagem big (€ 6,00) dura o dia inteiro, até 24,00, para um número ilimitado de viagens;

- passagem bti (€ 16,50) válida por 3 dias a contar da data do carimbo, ou até 24,00 no terceiro dia, incluindo a aposição de carimbo, e para um número ilimitado de viagens;

- passagem cis (€ 16,00) válida 7 dias a contar da data do carimbo, ou até às 24.00 horas do dia sétimo, incluindo o abate, e para um número ilimitado de viagens.

- birg válido até às 24:00 do dia de estamparia e para viagens ilimitadas em zonas comprado;

- passagem btr válida para os 3 dias, ou até 24,00 no terceiro dia, incluindo a aposição de carimbo, e para viagens ilimitadas em zonas comprado;

- passagem CIS valido 7 dias a partir do primeiro carimbo e até a meia noite do sétimo dia.
Preço: €  24,00

DO AEROPORTO DE FIUMICINO AO CENTRO

No aeroporto tem dois trens diferentes:
o Leonardo Express, que nao para em nenhuma estação e você chega em aproximadamente meia hora no centro (Termini, custa 14 euros), e o "trem normal", que vai parando em todas as estações até Termini; este segundo custa 8,00 euros.

Para quem tem o hotel perto do "Termini" (estação central), pode pegar qualquer um dos dois, tem só que escolher quanto quer pagar.

Pra quem está perto do Vaticano ou Trastevere, tem que pegar o "normal", que normalmente parte do lado esquerdo pra quem chega na plataforma.

Há algum tempo existe também a possibilidade de pegar um ônibus Terravision de Fiumicino para o centro.
 - horários em pdf: http://www.terravision.eu/inglese/files/2012/06/fiumicino_timetable.pdf

DO AEROPORTO DE CIAMPINO A ROMA
site da companhia de ônibus Terravision: http://www.terravision.eu/rome_ciampino.html
horários em formato pdf: http://www.terravision.eu/inglese/files/2012/06/ciampino_timetable.pdf
----------------------------------------------------------------------------------------------
Este post fala sobre as vantagens de comprar o Roma Pass (promovido pela cidade de Roma) para economizar em transporte e museus!
----------------------------------------------------------------------------------------------
Aqui o post sobre táxis em Roma, talvez te interesse...
----------------------------------------------------------------------------------------------
Tem também o post sobre como chegar com os transportes públicos à residência de verão do Papa, em Castel Gandolfo.
----------------------------------------------------------------------------------------------
Leia aqui sobre preços de transfers dos aeroportos de Roma e de como reservar o serviço!
----------------------------------------------------------------------------------------------

Dicas de livros e filmes

"Há mais coisas no céu e na terra, Horácio, do
que sonha a tua vã filosofia."
Shakespeare, Hamlet.

Caravaggio, de Roberto Longhi

Leiam e vejam filmes sobre e com Roma como scena'rio, voce vai achar um barato passear pela cidade, reconhecendo lugares e lembrando de cenas historicas que aconteceram neste maravilhoso cenario!

Gibi:

Asterix e Obelix (toda a coleção!) - fundamental antes de uma visita a Roma.Para quem nunca ouviu falar, de uma olhada aqui na WIkipedia http://pt.wikipedia.org/wiki/Asterix.

Endereço de excelente Gibiteria em Sampa: Pça Benedito Calixto, 158 - 1º andar - Pinheiros | São Paulo, SP - CEP 05406-040 -tel.: (11) 3167-4838 - www.gibiteria.com
Gente, sério mesmo, leiam Asterix e Obelix! Seria uma pena chegar lá sem ter aberto pelo menos um volume desta genial criação de Goscinny e Uderzo!

Filmes:


A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino - Maio 2013



To Rome With Love, de Woody Allen 2012- lindo olhar sobre a cidade mais linda do mundo!


Anjos e Demônios


Caravaggio, de Derek Jarman 1986 - filme maravilhoso sobre a vida do Caravaggio. Para artistas e apaixonados pela arte!

General della Rovere, Rosselini, 1959

Vacanze Romane, com Audrey Hepburn e Gregory Peck, 1953
« Anna: E à meia-noite, voltarei, como Cinderela, de onde escapei..
Joe: E vai ser o fim de uma lindo conto de fadas. »


Le ragazze di Piazza di Spagna!, com Marcello Mastroiani,1952

Queen Christina, com Greta Garbo!, 99 minutos, 1933


Night on Earth, de Jim Jarmush (hilário sketch com Benigni - e vistas de Roma na night)


La Luna, B. Bertolucci 1979, com o ainda jovem Benigni!

O Messias, Rosselini, 1975


Jesus de Nazaré, Franco Zefirelli 1977 - um clássico do grande maestroRoma, Federico Fellini 1972

Satyricon, Federico Fellini 1969

Spartacus, Stanley Kubrick 1960


Julio Cesar, Josep Mankiewicz 1953

Quo Vadis?, Mervyn Le Roy 1951

Domingo de Agosto 1950 Luciano Emmer

Armacord, Federico Fellini 1973

Roma, Federico Fellini 1973

O ladrão de bicicletas, Vittorio de Sica 1948

Roma, cidade aberta, Roberto Rossellini 1945

O Gladiador, Ridley Scott 2000

Livros:

Meditações, Marco Aurélio baixar livro PDF

Da República, Cícero baixar livro PDF

Primeiro Homem de Roma, O - Colleen Mccullough

Imperium, Robert Harris 2006

Scipio - Ross Leckie

Pompeii, Robert Harris 2004

Memórias de Adriano, de Marguerite Yourcenar - Tradução: Martha Calderaro - 2003 baixar livro em espanhol (PDF)

Eu, Cláudio - Robert Graves - 1941
ótima recensão de colega bloguero


Os livros que viraram filmes do Dan Brown, com todo devido respeito, tem uma trama que deixam um pouco a desejar. Mas as imagens de Roma sao lindas!
O código Da Vinci. Dan Brown 2003

Anjos e Demônios, Dan Brown 2000
Declínio e Queda do Império Romano, Edward Gibbons

Anais, Tácito

A Grandeza que Foi Roma, J. C. Stobart

A Vida dos Doze Césares, Suetônio

Comentários Sobre a Guerra Gálica("De bello gallico"), Júlio César baixar PDF

Alexandre e César — Vidas Paralelas ou Vidas Comparadas, Plutarco

Antônio e Cleópatra, William Shakespeare — baixar livro (PDF)

Júlio César, William Shakespeare — baixar livro (PDF)

A Cidade Antiga, Fustel de Coulanges baixar livro (PDF)

Dicionário Oxford de Literatura Clássica
Roma Antiga - Coleção O Cotidiano da História, de Feijo Martin Cezar

Visita À Roma Antiga - Coleção Desafios, de Ferreira, Olavo Leonel

Sociedade e Politica na Roma Antiga - Coleção Discutindo a História, de Corassin, Maria Luiza

A Escravidão na Roma Antiga - Política, Economia e Cultura, de Joly Fabio Duarte

Gladiadores na Roma Antiga - Dos Combates Às Paixões Cotidianas, de Garraffoni Renata Senna

O Assassinato de Júlio César - Uma História Popular na Roma Antiga, de Parenti Michael

Império Romano, de Le Roux Patrick

Declínio e Queda do Império Romano, de Gibbon, Edward

Repensando o Império Romano - Perspectiva Socioeconômica , Política e Cultural, de Silva Gilvan Ventura; Mendes Norma Musco

Sistema Político do Império Romano do Ocidente, de Urani, A.; Alves, Nilda; Mendes, Norma Musco

Romanos - A Era dos Conquistadores, de Adams, Simon

Mitologia ao Alcance de Todos - Os Deuses da Grécia e Roma Antigas, de Mattiuzzi, Alexandre A

As Catacumbas de Roma - O Testemunho e o Martírio dos Primeiros Cristãos, de Scott, Benjamin

História de Roma Livro I - A Monarquia, de Livio, Tito

Para fazer um tour na Itália com guia em português não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.  

Night Life em Roma

Restaurante Da Gildo em Trastevere
A esquina de Trastevere, perto do Arco de Settimiano

Vineria Biagio (bar)

Via della Scala, 64 (Trastevere)

A noite de Roma se divide em vários gostos...vou listar aqui alguns, esperando de esclarecer o teu, mas se não conseguir, é só escrever um comentário que eu respondo!


Bom, eu sou um tipo que gosta de Trastevere. Adoro passear lá de noite lá por Vicolo del Moro, Via della Scala, Piazza Santa Maria in Trastevere e tal...Gosto de tomar um prosecco no Biagio (Via della Scala) ou no Bar San Callisto ( na Piazza San Calllisto, na ruazinha á esquerda estando de frente para a Santa Maria in Trastevere), aliás eles tem um ótimo sorvete de chocolate e amêndoas "con panna" (com chantilly). É dos poucos bares onde o preço de balcão é igual ao preço com serviço à mesa!


Algumas sugestões de onde ir de noite:


Freni e Frizioni

Via del Politeama 4 - 6 - Trastevere, pertinho da Piazza Trilussa - 06 45 49 74 99
Abriu em 2005 este simpático barzinho às margens do Tibre. Oferece um rico buffet (com cuscus africano, pasta, saladas e pizzas frescas) das 19h às 22h, paga-se somente o que se bebe.

Não sou um tipo que dança (mas já fui muuuuito à discotecas!). Testaccio é o meu lugar preferido para dançar...


Radiolondra - disco bar

Via di Monte Testaccio 67 - Testaccio (fechada 2ªas e 3ºas)

Akab-Cave (bar/disco)

Via Monte Testaccio, 69 (Zona Pirâmide) - Testaccio - 06 57 82 390

Goa (disco), fechado aos sábados - Música alternativa

Via di Libetta, 13 (Zona Pirâmide) - 06 57 48 277


La Saponeria - Ambiente com estilo, e moderno. Musica: Comercial 
Via degli Argonauti 20


Anima - Ambiente barroco, atmosfera cosmopolita. Serve ótimos drinks, para todas as idades.
Via Santa Maria dell’Anima 57
Tel. 06 68892806

Gregory’s - Ambiente íntimo. Oferece espetáculos ao vivo nas 5as feiras, sextas e sábados - Música: Jazz
Via Gregoriana 54
Tel. 06 6796386

Micca Club - Tra tutti i club di Roma è quello che offre uno dei programmi più vari. Ingresso gratuito con preregistrazione obbligatoria sul sito internet. 
Via Micca 7/A
www.miccaclub.com

Big Mamma (musica ao vivo)


Vicolo San Francesco a Ripa, 18 (Zona Trastevere) 06 58 12 551

Jonathan's Angel (bar / musica ao vivo)

Via della Fossa, 16 (Zona Piazza Navona) - 06 68 93 426

Bar del Fico (bar)

Piazza del Fico (Piazza Navona)00 39 668 65205

Alpheus(disco)

Via del Commercio, 36 (Zona Pirâmide)- 06 57 47 826


Qube (disco) Via di Portonaccio 212
Tel. 06 4385445


Fake  (disco) - ambiente intimo, confortável, elegante - Musica: Elettronica, house, black e dance.
Via del Monte Testaccio, 64

Bar Taruga (bar)
Piazza Mattei, 9 (Zona Ghetto) 06 68 92 299

Alexanderplatz (Jazz live)

Via Ostia, 9 (Zona Prati) - 06 39 74 21 71

Centro Sociale Brancaleone (musica ao vivo)

Via Levanna, 11 (Perto Via Nomentana) - 06 82 00 09 59

Piper (disco)

Via Tagliamento, 9 (Zona Nomentana) - 06 84 14 459

Bares Gays em Roma


Taverna Edoardo II (fecha 3ªas)

Vicolo Margana , 14
tel. 06 69 94 24 19 - zona Piazza Venezia

Hangar  - o primeiro night club gay de Roma -  www.hangaronline.it 
Via in Selci 69/A


Coming Out

Via de San Giovanni in Laterano, 8 -> A "Gay Street de Roma"

Circolo degli Artisti (shows, dicobar, ótima programação cultural)

Casilina Vecchia 42 - zona Casilina - tel. 0670305684

São Pedro e Vaticano - Resuminho das obras primas

Praça São Pedro

Atenção às medidas de segurança adotadas para os visitantes da Basilica de São Pedro: você pode entrar com guarda chuvas e garrafas de água, mas não com canivetes!
Os ombros e as pernas devem estar cobertos.
Placas entrada basílica de São Pedro
Para garantir a sua entrada, leve uma camiseta com mangas e uma calça de um tecido leve na mochila se estiver um calorão!

Basílica de São Pedro, Via della Conciliazione
Basilica de São Pedro, vista da Via della Conciliazione (realizada por Mussolini)

Introduçãozinha inevitável
Acho muito interessante o fato que essa igreja foi construída aqui, por que foi neste lugar que o São Pedro sofreu seu martírio.

São Pedro foi perseguido durante o governo do Imperador Nero e foi crucificado no circo deste imperador. Ali do lado, existia um cemitério, onde ele foi cuidadosamente enterrado pelos cristãos da época, e assim iniciou o percurso de pelegrinação mais famoso do mundo!

Tempo mínimo para visitar a Basílica: pelo menos uma hora; uma outra hora se for subir na cúpola.

Para conhecer este grande ícon da história de Roma, eu aconselharia pelo menos toda a parte da manhã, até a hora do almoço. Já o fato de chegar lá e ir se aproximando desta maravilha é uma emoção muito grande! A primeira coisa a notar são as ruazinhas que rodeiam a Basilica, bairro romano que se chama Borgo Pio. Na foto você vê uma pomposa avenida aberta por Mussolini, que nasce na margem do Rio Tibre e vai diretamente à entrada da Basilica.
Note que os lampeões que a iluminam foram um presente de Hitler para Mussolini.

Interessante saber que essa construção do século XVI-XVII substituiu a primeira Basilica de São Pedro, construída pelo Imperador Constantino (313):Desenho da antiga basílica de São Pedro
fonte desenho: wikipedia

No final do séc XV os alicerces cediam e começaram os planos para realizar uma nova Basílica, ainda maior do que a antiga obra faraônica. O papa Giulio II foi responsável pelo início desta empresa nos primeiros anos do séc XVI.

Na segunda metade do séc. XVII, Bernini realizou a maravilhosa Praça São Pedro com seus fiéis ajudantes. A praça foi desenhada com a simbologia de braços que acolhem a humanidade.

FACHADA

Na massiça entrada, você pode apreciar a fachada de Carlo Maderno, com uma altura de 45 m e 115 m de largura. No centro, um alto relevo de Ambrogio Buonvicino, realizado em 1641 e intitulado "A entrega das chaves".

Na entrada, um pouquinho antes da façada, temos à esquerda o apóstolo Paulo com a espada, símbolo do seu martírio, na mão (por Adamo Tadolini); à direita, São Pedro (por Giuseppe De Fabris) com a chave.

São Paulo, na entrada da basílica de São Pedro
No alto da fachada Escultura de 6 metros de altura dos estúdios de Bernini com Jesus Salvador no meio dos 12 apóstolos.
Esculturas no alto da basílica de São Pedro
PÓRTICO


O pórtico é a área que precede a entrada no interior da Basilica.
Aprecie Carlos Magno, à esquerda, escultura de Agostino Cornacchini (1725) e do lado oposto o Imperador Costantino, realizada por Bernini em 1670.

Imperador Constantino, entrada da basílica de São Pedro
Lá no alto da parede de entrada, em cima do arco, tem um fragmento de um mosaico chamado "La navicella", obra de Giotto que estava na antiga basílica.

Os 5 portões de entrada à Basilica de São Pedro (da esquerda para a direita):

-O grande portão não é um trabalho antigo, mas foi feito por Giacomo Manzù em 1964 chama-se "Porta da morte", por que é de lá que sai a procissão quando morre um Papa.

- "Porta do Bem e do Mau", deLuciano Minguzzi, década de '70

- "Porta de Filarete", do séc XV, trabalho de Antonio Averulino é o antigo portão de entrada da antiga basílica (feita por Constantino).

- "Porta dos Sacramentos", por Venanzo Crocetti em 1965. Representado um anjo que anuncia os sacramentos.

- "Porta Santa", trabalho de Vico Consorti realizado em 1950 e doado ao papa Pio XII. Essa porta é aberta somente a cada 25 anos e é um grande acontecimento a sua abertura. Quando se encontra fechada, ela fica murada!

A NAVADA CENTRAL (alta 45 metros; longa 187 metros)
A superfície interna da basílica é de 22.000 metros quadrados!

Nave central, basílica de São Pedro
A monumental entrada pela navada central culmina om o baldaquino de São Pedro, realizado com o bronze retirado do Pantheon! Diz-se que esta é a maior obra do mundo realizada neste material, os pilares retorcidos são uma imitação do baldaquino do Templo de Salomão, e a altura desta construção é de 30m! O visitante vai ficar intrigado com abelhinhas esculpidas nas bases do baldaquino. Elas são simplesmente o brasão da família Barberini, que foi quem pagou a obra, por isto está ali!

Pouco antes de chegar ao Baldaquino, vai ver a famosa escultura de São Pedro por Arnolfo de Cambio (séc XIII). O pé do apóstolo ficou liso, com todo mundo que o toca quando passa por ele!

Note o mosaico no chão de mármore, que contém a placa de pórfido vermelho egípcio da antiga basílica, sobre o qual Carlos Magno se ajoelhou no dia da sua coroação.

NAVE DIREITA
Na primeira capela, a maravilhosa Pietà de Michelangelo. Único trabalho assinado pelo grande maestro. Realizada no macio e brilhante mármore de Carrara (da Toscana), diz-se que Michelangelo em pessoas escolhia seus blocos de mármore na pedreira. Essa forte escultura sofreu o ataque de marteladas de um desequilibrado em 1972 e desde então é protegida por um vidro a prova de balas.

Quase na frente da Pietà, temos o monumento à Christina da Suécia, de Carlo Fontana.

Depois a capela de São Sebastião, com o mosaico do Martírio de São Sebastião. No teto desta capela, encontra-se um mosaico de Pietro da Cortona.

Aí temos os monumentos a Inocêncio XII e Matilde di Canossa, de Gianlorenzo Bernini.

NAVE ESQUERDA

A primeira capela, do Batismo, progetada por Carlo Fontana; Monumento aos Stuart de Antonio Canova.

Monumento fúnebre à Innocenzo VIII, trabalho de Antonio Pollaiolo (XV séc).

A CÚPOLA

Progeto de Michelangelo, realizado por Giacomo della Porta dois anos depois da sua morte, a cúpola da Basilica de São Pedro é um emblema de Roma. É a mais alta do mundo, nos seus 136 metros de altura e 43 m de diâmetro.

Fonte de inspiração para Michelangelo foi a cúpola de Brunelleschi, do Duomo de Firenze.

Para fazer um tour na Itália com guia em português não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento. 

Passeio com guia em português ao Vaticano - Praça São Pedro