sexta-feira, 7 de março de 2014

Basílica de Santa Maria Maior


 Basílica de Santa Maria Maior: história e arquitetura

No ano de 452 foi construída a maior basílica dedicada à Virgem: Santa Maria Maggiore ou Santa Maria Maior em português (Basílica de Nossa Senhora das Neves, ou Basílica Liberiana) que é hoje uma das quatro Basílicas Patriarcais.


Fachada da Basílica de Santa Maria Maior


Em 432, logo após o Concílio de Êfeso (que reconheceu a divina natureza de Cristo), o Papa Sisto III, comportando-se como um monarca, mandou construir essa basílica, consagrada no ano de 440.

Diz a lenda que a própria Virgem apareceu num sonho ao Papa Libério (segundo a tradição, o primeiro fundador desta igreja) e a um patrício chamado João, mandando construir uma basílica dedicada à ela. Tal basílica deveria ser construída "no lugar onde amanhecesse uma colina com neve". Ora, era dia 4 de Agosto, um calorão, seria impossível que caísse neve em Roma naquele período. No dia seguinte, foi vista a neve sobre a colina onde vimos hoje a maravilhosa e imponente basílica de Santa Maria Maggiore.

A planta é original do V século (com 80m de comprimento por 35m de largura), mas a fachada, a decoração interna e as capelas foram constantemente ampliadas e restruturadas nos anos.

Decoração interior

Dividida em 3 naves e com uma dupla série de colunas iônicas. Entre 1288 e 1292, Nicolau IV empurrou a abside de alguns metros para trás, para dar espaço ao coro. As naves laterais foram remodeladas durante o renascimento pelo arcebispo da basílica, Cardeal Guillaume d'Estouteville na metade do século XV.

Nave central da Basílica de Santa Maria Maior
Interior da Basílica de Santa Maria Maggiore, decoração enriquecida ao longo dos anos

Pavimento cosmatesco da Basílica de Santa Maria Maior
Detalhe de nós do pavimento cosmatesco

Mosaicos do interior da basílica


Estes mosaicos são considerados o primeiro ciclo de representações narrativas realizado no interior de uma igreja romana: sombras, degradês e representação fiel dos espaços e volumes, além da clara diferença entre o trabalho de figura e fundo nos mostram como a antiga pintura romana influenciou este trabalho.

Mosaicos do arco do triunfo - V século


O mosaico do arco do triunfo é também original do V século, já com uma grande influência bizantina. Representam cenas da infância de Cristo Redentor.

Arco triunfal da Basílica de Santa Maria Maior
Arco do triunfo, foto minha

Mosaicos da abside - Jacopo Torriti


No mosaico da abside podemos apreciar uma obra-prima do grande maestro. Em ocasião do deslocamento da abside, no século XIII, ordenado pelo Papa Nicolau IV.

Baldaquino


Imponente baldaquino com colunas de pórfido vermelho, decoradas por motivos floreais em bronze de Fernando Fuga. É tão grande que esconde uma parte do mosaico da abside!

Baldaquino da Basílica de Santa Maria Maior
Baldaquino, visto da parte inferior do altar, Santa Maria Maggiore

Enfeite do altar da Basílica de Santa Maria Maior
Anjo, decoração na frente do baldaquino, Santa Maria Maggiore

Escultura Pio IX, Basílica de Santa Maria Maior
Imagem em mármore de Pio IX, aos pés do baldaquino

Escultura de costas, Pio IX,  Basílica de Santa Maria Maior
 Pio IX em seu mantô ricamente decorado por rendas, em mármore. Aos pés do baldaquino.

Embaixo do baldaquino, podemos ver a relíquia da igreja: um pedaço do comedouro onde Jesus foi depositado quando nasceu. Está numa caixa de vidro, com a estrutura em prata:

Relíquia da Basílica de Santa Maria Maior
Relíquia da Basílica de Santa Maria Maggiore

Piso


O pavimento cosmatesco é o original do século XII, das mãos de Ferdinando Fuga. Foi restaurado no século XVIII.
Close-up Pavimento cosmatesco da Basílica de Santa Maria Maior
Detalhe do pavimento cosmatesco

Capela de Sisto V Peretti (1585-1591) - também chamada de Capela Sistina


Capela leva o nome do Papa que realizou inúmeros trabalhos de restauro em Roma durante o seu breve pontificado, transformando Roma em um grande canteiro de obras.

Batistério


O batistério é majestoso, um trabalho de Flaminio Ponzio durante o período barroco.

Teto do batistério da Basílica de Santa Maria Maior

Nave esquerda


Na nave esquerda, são duas as capelas que merecem ser vistas atentamente:
- Capela Sforza, planta de Giacomo della Porta, talvez originalmente um desenho de Michelangelo

- Capela Paolina.

Relíquias


Nesta basílica encontramos importantes relíquias: os espólios de São Mateus e São Jerônimo.

Planta baixa da Basílica de Santa Maria Maior
Planta baixa aproximativa da Basílica de Santa Maria Maggiore

Para compreender Roma são necesessários anos de estudo de arte, arquitetura e arqueologia e outros tantos anos para aprofundar este conhecimento e escrever artigos como este. Escolha uma guia profissional pois ela fará uma grande diferença na sua estadia.
De brasileiros para brasileiros na Itália: reserve aqui a sua guia de turismo que fala português

Endereço Basílica de Santa Maria Maggiore: Piazza di S. Maria Maggiore, 42

Horário de abertura: 07h - 19h

Como chegar na Basílica: A basílica fica a poucos minutos da estação Termini (metrô A e B). Os ônibus 16, 70, 71, 360, 649 e 714 passam aqui perto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário