quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Museus Capitolinos, os museus mais antigos do mundo

post dedicado à família da Eliane e ao querido Roberto Salomão,
que vem à Roma ver o que é Roma 

A fundação dos Museus Capitolinos é considerada o ato de doação do Papa Sisto IV, em 1471, de algumas esculturas em bronze que estavam nos palácios lateranenses ao povo de Roma, e que foram colocadas no Palácio dos Conservadores. Na metade do século XVI, Papa Pio V quis se livrar de algumas esculturas com temas pagãos e também colocou algumas esculturas neste palácio, sede do poder dos cidadãos de Roma.
Turismo em roma com guia em portugues


Entrada dos museus capitolinos, com guia em portugues

Estes mseus fantásticos ficam numa colina que se chama Capitólio e que foi muito importante na história de Roma.

Entre outras coisas, temos aqui o Altar da Pátria, a prefeitura de Roma (que, para mim, é a prefeitura mais bonita da Europa), a maravilhosa igreja de Santa Maria in Aracoeli e os Museus Capitolinos, que é o tema de hoje. Os Museus são compostos principalmente por dois grandes palácios,o Palácio dos Conservadores e o Palácio Novo, mas também pelo Palácio Clementino-Caffarelli, Tabularium (que vemos do lado externo durante a visita ao Foro Romano) pela Central de Montemartini ("filial" que fica numa zona que se chama Ostiense e que falaremos num próximo post).

Excursão com guia em portugues aos Museus Capitolinos para ver a verdadeira loba de Roma


Papa Paolo III solicitou ao Michelangelo o "lifting" dos palácios medievais da praça, que é como os vemos hoje (mas que o próprio Michelangelo não viu pronto!): 

Comparacao entre o capitolio com fachada do Michelangelo e os antigos edificios medievais

O ano de abertura ao público das salas com as esculturas aconteceu sob o papado de Clemêncio XII, em 1734.

Escultura antiga de leão que ataca cavalo

O que ver nos Museus Capitolinos

Afinal, o que tem de interessante nestes museus? Pérolas da antiguidade dispostas em salas luxuosamente decoradas, meu amigo!

Excursão em portugues aos museus capitolinos com guia de turismo

 Para iniciar, a estátua equestre de Marco Aurélio que você vê tão bonita no meio da praça é uma cópia que somente a divina mão de obra italiana poderia ter realizado, para proteger o original, que está... lá embaixo do Palácio dos Conservadores!

Diana de Êfeso, escultura em mármores

Nos luxuosos salões principais temos afrescos do Cavalier d'Arpino (que possuia a oficina onde trabalhou Caravaggio quando chegou em Roma) que contam lendas da fundação de Roma e Tommaso Laureti, com fatos da história de cidade, como a "Vitória do Lago Regillo" e a "Justiça de Bruto". Na sala dos Horácios e Curiácios foi assinado o Tratado de Roma que instituiu a comunidade econômica européia em 1957.

Como no caso do Antiquário do Palatino, temos peças do Foro Romano, como a famosa cabeça e mãos do imperador Constantino, encontradas na basílica de Constantino ou Maxêncio.

Medusa de bernini

A famosa loba em bronze, símbolo da cidade de Roma e que fica na entrada da prefeitura, onde todo mundo tira uma foto, também tem seu original no interior deste museu!

Garoto com espinho no pé, bronze

A espetacular "Medusa" de Bernini, cuja atribuição ainda é discutida por alguns históricos da arte da série "coisas fáceis para fazer com o mármore", como diz uma das minhas professoras de História da Arte!

Uma das esculturas mais amadas durante o Renascimento, foi o chamado "Spinario", imagem deliciosa do garoto que tira um espinho do pé. Um tema extremamente originial de uma escultura eclética em bronze, pois foi realizada no I séc. d.C. em estilo helenístico, mas com a cabeça em estilo do V séc. a.C.

Museus Capitolinos, Sala dos Horácios e Curiácios

O famoso cavalo em bronze do vicolo delle Palme, escultura do V-VI século a.C., atribuido a Fídias ou ao seu mestre, encontrado em Trastevere, na mesma rua em que foi encontrado o nosso Apoxyomenos dos Museus Vaticanos. Um unicum no seu gênero, eventualmente a mais antiga estátua equestre de um cavalo durante uma parada que chegou até nós.

Na Pinacoteca temos ainda uma das tantas versões de um São João Batista, do Caravaggio; Tiziano e Rubens. No Palácio Caffarelli-Clementino temos a coleção Santarelli, famosa por abranger peças do antigo Egito, da cultura greco-romana e  pelas incisões em pedra tipo camafeus

FUndações do templo de Jupiter


Sem dúvida é uma enorme emoção descer ao andar inferior e ver as fundações do antigo templo de Júpiter, com maquete em plexiglass e tudo, que dá todo o sentido à essa excursão por nos colocar em contato direto com a história milenar da colina do Capitólio, no coração da Europa.

Endereço:
Museus Capitolinos
Piazza del Campidoglio 1
Horário: Todos os dias,  9.30h - 19.30h
Fecho mais cedos: 24 e 31 de Dezembro das 9.30h -14.00h
Entrada: € 15 inteiro e €13 meia
Entrada combinada com a Centrale Montemartini: € 16 inteiro e €14 meia
Como em quase todos os museus, a bilheteria encerra as vendas uma hora antes do fecho.

Particularidade: Cafeteria e restaurante com excelente com vista linda sobre a cidade de Roma.

Garanta a sua viagem na Itália com guia em português da mais alta qualidade; não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Museus em Roma:

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O Juízo Final do Michelangelo

Capela Sistina: O Juízo Final do Michelangelo

Já que "tocamos a matéria incandescente" da Pietà do Michelangelo, após tantos anos, chegou a hora de escrever algumas linhas sobre o Juízo Final da Capela Sistina, trabalho realizado em um segundo momento em relação ao teto, mais uma grande obraprima deste gênio que foi Michelangelo Buonarroti

Afresco Juízo Final, Michelangelo, Capela Sistina, Roma

Momento histórico em que foi pintado o Juízo Final da Capela Sistina


Quando o papa da casa Medici, Clemêncio VII, encarregou Michelangelo de apagar os afrescos do altar para pintar o Juízo Final, estávamos no ano de 1534 e tinham passado 22 anos da finalização do teto da Capela Sistina. Michelangelo era uma estrela do Renascimento, para não dizer a estrela mais brilhante do Renascimento, reconhecido e aclamado como grande artista.  
Roma tinha acabado de sobreviver ao grande saque de 1527, à uma epidemia de peste e Lutero estava  tendo muito sucesso com as suas teses no que chamamos hoje de "Alemanha", até tinha utilizado a nova tecnologia chamada "prensa", inventada "por um tal de" Gutenberg para imprimir a sua própria bíblia.
Para completar este momento extremamente difícil, Clemêncio VII morreu sem ver nem um desenho na parede deste trabalho que se transformaria em mais uma das obras de arte mais conhecidas e admiradas no planeta.

Ainda bem que papa Paolo III deu continuidade ao projeto... que Michelangelo demorou sete anos para acabar!
Durante a sua viagem pela Itália é interessante ver alguns "Juízos Finais" e colocá-lo antes ou depois do Michelangelo.


Descrição dos elementos principais do Juízo Final do Michelangelo


O que vemos nesta parede com muito azul de lapis lázuli não tem nada a ver com o que tinha sido até aquele momento histórico uma decoração de parede de altar!

 

A figura central e dominante de um "Cristo-Apolo" com seu braço direito elevado movimenta circularmente e em sentido horário uma cena com mais de duzentos personagens nas mais diferentes posições e perspectivas. Temos entre eles anjos, "eleitos" e condenados, santos mártires da Igreja, e a Virgem (quase amedrontada), originando um efeito provavelmente inspirado pela leitura de um expert toscano em "Divina Comédia".



Ao redor do Cristo, os mártires, São Pedro, Santa Catarina, São Lourenço, São Bartolomeu (autorretrato de Michelangelo na pele que ele segura com a mão esquerda),

Como vemos nas flechas da figura em preto e branco, à esquerda temos um movimento ascendente de figuras "eleitas", salvas, que atingirão o reino dos céus. À direita temos um movimentos descendente, das chamadas figuras "danadas", condenadas, que irão ao inferno - clara a alusão ao barqueiro Caronte da mitologia grega, em baixo à direita, no seu barco, que leva as almas ao reino de Hades.

Capela Sistina, Juízo Final, guias de turismo em português

Sim, este trabalho foi muito criticado por muitas pessoas, que viam nestas figuras nuas que representavam a Igreja um verdadeiro escândalo. E assim tal Biagio da Cesena, mestre de cerimônias do papa, foi colocado no Inferno com orelhas de burro e uma serpente que abocanha o seu sexo. Melhor não mexer com o Michelangelo!

Mais ou menos é isso... mas se quiser saber tudinho mesmo, vale à pena pegar um tour com a gente para poder curtir essa obraprima sob todos os seus aspectos!
Garanta a sua viagem na Itália com guia em português da mais alta qualidade; não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Imagens: Wikimedia

Bibliografia:
Argan, G. C., Storia dell'Arte Italiana, Milano, Ed. Sansoni, 1988
Von Brauchitsch, B., Michelangelo, Berlin, Suhrkamp, 2009
Acidini Luchinat C., Michelangelo Pittore, 2007
Enciclopédia Treccani On line: http://www.treccani.it/ 
Il cammino di Dante®: http://www.camminodante.com

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Santa Maria In Aracoeli

Igreja de Santa Maria in Aracoeli no Capitólio

Não é um fenômeno comum que uma igreja tenha sido construida em um lugar habitado e construído pelo Homem há  quase três mil anos. Estamos falando de mais uma pérola de Roma, a Igreja de Santa Maria in Aracoeli.

José Carlos e Marli, comemorando o aniversário de casamento em Roma com a gente!

Localizada na diagonal da subida principal da colina Capitólio, atrás do "faraônico" Altar da Pátria, essa igreja pode passar muitas vezes despercebida ao viajante que vem pela primeira vez à Roma, sobrecarregado com quantidade de monumentos, museus e obras de arte da colina Capitólio.

À parte a vista, la do alto, que é de tirar o fôlego...

Santa Maria In Aracoeli, vista das cúpolas de Roma

como faço sempre, vou dar uma pincelada no que pode ser visto nesta maravilhosa e importante igreja e sublinho o fato que este blog de jeito nenhum substitui a visita com uma guia profissional que desvende Roma com você.

Nave central, Santa Maria In Aracoeli

Breve história da Santa Maria in Aracoeli


Esta igreja foi construída sobre um antigo templo romano dedicado à Juno Moneta ("Juno, a avisadora", do latim "mŏnĕo", avisar), onde os romanos cunhavam as moedas - talvez já aqui seja explicada a origem da palavra moneta, moeda em português.

Pavimentos cosmatesco, Santa Maria In Aracoeli

A igreja é mencionada em documentos antigos do IX século, mas há quem acredite que ela foi fundada pelo papa Gregório Magno. O que vemos hoje é a arquitetura de uma igreja com três naves e quase intacta, do século XIII!

Detalhes da arquitetura e decoração


O teto, típico o estilo do século XVI, comemora a batalha de Lepanto, vencida por Marco Antonio Colonna, com motivos navais; realização do Papa Gregório XIII da família Boncompagni, o mesmo que mandou afrescar a Galleria dos Mapas nos Museus Vaticanos.

Santa Maria In Aracoeli, passeios guiados

O pavimento e composto por enormes lastras de mármore e faixas com decoração cosmatesca.

Na capela da família Eufalini temos uma "Glória de São Bernardinho" do final do século XV, afresco de Pinturicchio.Espetacular, como sempre, as paisagens deste pintor, a delicadeza com a qual representa os anjos numa composição extremamente equilibrada e simétrica.

Opus sectile, capela de Santa Maria In Aracoeli


A capela das famílias Morelli e Mattei têm dois afrescos do "nosso" Pomarancio (século XVI), a "Crucificação de Jesus com a Virgem e Madalena" - pavimento cosmatesco.

Impressionante o pavimento em opus sectile da capela das famílias Mattei e Antici com varios brasões de família!
 
Santa Maria In Aracoeli, monumento Arnolfo de Cambio

Aqui temos a sorte de poder ver mais uma obra do grande maestro Arnolfo di Cambio: o monumento a Luca Savelli (1287)!

Santa Maria In Aracoeli, Afresco de Pietro Cavalllini

Vou encerrar com un pequeno afresco da Virgem de Pietro Cavallini, da tumba do Cardeal Mateus Acquasparta. Se consegui passar a ideia que esta igreja é um museu e que deve ser admirada, valeu a leitura! Obrigada!

Viagem na Italia com guia em português, Santa Maria in Aracoeli

Garanta a sua viagem na Itália com guia em português particular da mais alta qualidade; não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

A (primeira) Pietà do Michelangelo

A (primeira) Pietà do Michelangelo

Hoje conhecemos quatro “Pietás” criadas pelo grande gênio que foi Michelangelo Buonarroti e aqui vamos falar da primeira realizada pelo grande gênio.


 post dedicado à Deise del Roveri e ao Roberto Pino

A Pietà do Michelangelo Na Basílica de São Pedro

Difícil falar de uma das obras mais significativas de todos os tempos como a primeira Pietà do Michelangelo... mas vamos começar do começo para nos aproximarmos aos poucos desta obraprima.

Pedreira Michelangelo em Carrara, Na Toscana
Foto da pedreira de Carrara, onde Michelangelo passava meses procurando seus blocos para esculpir; obrigada pela foto, Claudia Groh

CV Michelangelo Buonarroti


O garoto nasceu em 1475, tinha 22 anos e caráter forte, enorme sensilibilidade e grandiosa habilidade que prometiam muito. Ele tinha sido aluno do Ghirlandaio e do Bertoldo, tinha frequentado a corte de Lourenço de Medici e conhecido outros artistas famosos, filósofos, e um certo frade domenicano que ainda daria muito o que falar, o Savonarola, que pregava apaixonadamente por uma reforma da igreja.
Estas experiências foram fundamentais para o jovem Michelangelo, que acabava de receber as sementes da sua pópria concepção de mundo, impregnada de reflexões que marcariam profundamente a história do mundo ocidental.

Close up Pietà do Michelangelo
Foto RestaurArs

No ano de 1492 Michelangelo presenciava a descoberta da América, a morte do Papa Inocêncio VIII (a ascensão do Papa Rodrigo Borgia), e a morte de Lourenço de Médici! Dizem que Michelangelo ficou tão abalado com a morte de seu amigo e protetor, que não conseguiu fazer nada por um bom tempo.

Alguns anos depois, Michelangelo fez uma escultura de um pequeno Cupido (hoje desaparecida), que foi vendida como uma falsa antiguidade através de um comerciante de Roma ao cardeal Riari. Riari descobriu que a sua aquisição era falsa e quis seu dinheiro de volta. Apesar desta esdrúxula situação nasceu uma amizade entre os dois e em 1496 Michelangelo foi à Roma encontrá-lo e assim que chegou recebeu do dito cardeal a sua primeira comissão para uma escultura em tamanho natural de um “Bacco”. Neste período Michelangelo estava hospedado na casa de um banqueiro chamado Galli (entre Piazza della Cancelleria e Piazza Navona), e ali mesmo, no pátio desta casa, ele trabalhou nessa escultura. O Galli parecia mais impressionado pelas habilidades do grande escultor do que o cardeal Riari, tanto que em 1498 foi o Galli que assinou o contrato para a comissão que transformaria a vida do Michelangelo: a Pietà para Jean de Bilhères.

Pietà do Michelangelo, close up corpo Jesus
Foto RestaurArs

A Pietà: tema que não está descrito no Novo Testamento


O tema “Pietà” não está na Bíblia. Era um tema do norte da Europa, mais precisamente da Alemanha, mais precisamente ainda conhecido como “Vesperbild”: tratava-se de imagens devocionais de tamanhos diferentes com o Jesus morto nos braços de Maria. Este foi o tema escolhido pelo francês Bilhères para a sua própria sepultura. A escultura deveria adornar uma pequena capela na igreja de Santa Petronila, colada na Basílica de São Pedro.

O que podemos dizer do resultado final desta obraprima de Michelangelo?

Close up Pietà, Maria e Jesus
Foto RestaurArs

Aspectos importantes para a compreensão da Pietà do Michelângelo

A primeira coisa que vemos e que é clara quando observada à distância é a forma piramidal. Padre, Filho e Espírito Santo formam três pontos, que por sua vez ligados formam um triângulo que indica que a cena alí representada está dentro de um conceito divino que transcende a dor (Prof. G.C. Argan). Jesus parece adormentado no colo de Maria, base do conceito cristão de morte, pois através do sono acorda-se para a vida eterna em Cristo.

Forma piramidal, Pietà do Michelangelo

A Virgem foi representada mais jovem do que o Jesus, já na casa dos 30, quase como se fosse uma previsão do futuro; a sua mão esquerda confirma e aceita a Paixão, a realização do fato consumado. Temos aí dois períodos de tempo nesta figura (Prof. G.C. Argan): a mão direita de Maria sustenta seu corpo mas não o toca diretamente; existe um tecido entre a mão da Virgem e o corpo de Jesus.

Foto de cima, Pietà do Michelangelo na Basílica de São Pedro
Foto RestaurArs

A Virgem está vestida em um modo muito mais próximo à uma Artemis do que à uma das tantas representação dos séculos XIV e XV (Mestre da Pietà Fogg, Beato Angelico, Masaccio) que provavelmente foram vistas por Michelangelo. A faixa que atravessa em diagonal o seu tórax tem a assinatura do artista, o que nos faz pensar que alguma motivação muito forte o levou a fazê-lo, pois ele não tinha o hábito de assinar as suas obras.
Estúdio nas pedreiras de Carrara, Toscana
Foto do estúdio na pedreira de Carrara; obrigada pela foto, Claudia Groh

A perfeição da musculatura do corpo de Jesus nos confirma os estudos de anatomia feitos por Michelangelo, que rendem perfeitamente não só as proporções do corpo humano, mas a falta de tensão de seus membros e o peso do seu corpo. Comovente, na minha opinião, seu pé esquerdo suspeso no ar e sua mão direita, com o índice que desaparece nas dobras do manto da Virgem.

Cópia da Pietà do Michelangelo em Carrara, Toscana
Foto do estúdio na pedreira de Carrara; obrigada pela foto, Claudia Groh

Na testa de Maria encontra-se uma linha que foi realizada com o intuito de criar um véu imaginário através de um efeito da luz da capela da igreja de Santa Petronilla.

Pedreira Michelangelo, em Carrara, na Toscana
Foto da pedreira de Carrara, onde Michelangelo passava meses procurando seus blocos para esculpir; obrigada pela foto, Claudia Groh

É um mistério o funcionamento da mente e das ações do gênio. Apesar de tentarmos circundar a dinâmica da criação desta obra tão pungente, não creio que seja possível aproximá-la o quanto gostaríamos. Resta-nos a difícil tarefa de contemplá-la na sua perfeição.

Uma das coisas mais gostosas da viagem à Itália é perceber continuidades e diferenças na arte e na arquitetura deste maravilhoso país. A viagem tem muitas vezes o sabor lúdico de um enorme e maravilhoso quebra-cabeças. Este post faz parte de uma bloggagem coletiva que está saindo hoje, junto com Magê e Babi, sobre as três principais, para mostrar pra você como nós nos divertimos neste país. A “Pietà Rondanini: Michelangelo em Milão" foi escrito pela Magê e a “Pietà Bandini – Consolação e Tormento de Michelangelo, post escrito pela Babi.

Se você também é apaixonado por Michelângelo, leia o post sobre a Capela Sistina!

Teto da Capela Sistina, Sibila Delfica
Garanta a sua viagem na Itália com guia em português particular da mais alta qualidade; não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Bibliografia:

Argan, G. C., Storia dell'Arte Italiana, Milano, Ed. Sansoni, 1988
Wundram, M., Renaissance, Reclam, Ditzingen, 2004
Kupper, D.,
Michelangelo, Leipzig, Rowohlt, 2004
von Brauchitsch, B., Michelangelo, Berlin, Suhrkamp, 2009
Enciclopédia Treccani On line: http://www.treccani.it/
Strinati, C., La Pieta' di Michelangelo descritta dal Prof. C.Strinati, https://www.youtube.com/watch?v=i_0-nuSz8m4

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O III Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros em Berlim

O trabalho do blogger é, em primeiro lugar um trabalho solitário: eu gosto de uma coisa e quero comunicar ao mundo como eu vejo aquela coisa. O fato de encontrar pessoas que têm a mesma paixão por viagens e moram na Europa é uma experiência impagável. Além de termos muitas coisas em comum, todos nós temos pontos fortes e fracos e enfrentamos dificuldades semelhantes no dia a dia da profissão. O fato de poder trocar informações é extremamente enriquecedor, sobretudo em um ambiente construtivo que caracteriza essa “creatura” chamada Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros que nasceu em 2014 em Barcelona e teve a sua III edição neste ano em Berlim.


  Foto: Luis Felipe Minnicelli, luisfelipeminnicelli

Nicole, Pacelli (http://www.agendaberlim.com) e Claudia (http://www.brasileiros-mundo-afora.com/) organizaram um final de semana em Berlim para 60 blogueiros, com palestras e uma programação para nos aproximar uns dos outros, viabilizando futuros projetos e colaborações, além de muita diversão na deliciosa capital alemã. Eles até conseguiram o patrocínio de empresas que acreditaram no projeto e na nossa força e facilitaram estadia, almoços e locomoção pela cidade, com direito à degustação em uma microcervejaria com produção própria no coração de Berlim.

 Indo ao Circus Foto: Luis Felipe Minnicelli, luisfelipeminnicelli

Sexta feira cheguei na cidade e nosso primeiro encontro foi um passeio por Kreuzberg com a Nicole (Agenda Berlim, link abaixo). Desde que iniciei a trabalhar com passeios guiados na Itália em 2007 acredito que passear com alguém que mora e estuda a cidade é a melhor coisa do mundo, pois nos dá coordenadas importantes que podemos utilizar depois nas explorações da cidade - acredito tanto nisso que esta atividade é o meu ganha pão há seis anos. 

  Os organizadores Pacelli, Nicole e Claudia - Foto: Luis Felipe Minnicelli, luisfelipeminnicelli

À noite tínhamos este encontro no Circus Hostel Berlin para tomar a cerveja feita por eles: o fim de semana inciava já com um presentão! Meus parceiros de conversa longa foram o Rodrigo da Trupe da Trip (link abaixo, no pessoal da Alemanha) e o Edson do Ligado em Viagem (link também abaixo), e pelo teor da conversa já senti que estava no lugar certo!


No sábado, após entrarmos na sala de palestras da Digital Eatery, no super-endereço “Unter den Linden”, com a decoração super caprichada, brindes dos patrocinadores e nossos crachás, fomos recebidos pelos organizadores Claudia, Nicole e Pacelli... e começou! 

O Daniel Duclos do Ducs Amsterdam (link abaixo) contou sobre a sua façanha de explorar as possibilidades de seu blog a 360°C, e além de tudo incluir toda a galera que mora na Holanda. Entre tantas outras coisas, a importante tarefa de estabelecer metas (e eventualmente cumpri-las!) sistematicamente e ouvir como ele lida com o problema da divisão do tempo entre família e dedicação ao trabalho foram para mim fundamentais. Percebi como neste momento estou fazendo o trabalho de 4 pessoas e vou ter uma vida muito curta; estou já tratando com possíveis colaboradores.

Foto: Claudia, do Brasileiros Mundo Afora

Com certeza a grande estrela foi o Erick do blog Eurodicas (link abaixo), o "homem-domador-de-unicórnios” fala de SEO e otimização de blog como se estivesse contando sobre a lista de compras da feira. E o meu está todo errado, mas ele já vai corrigir tudo isso! 
 
A Priscila e o Rafael do Cultuga trouxeram dicas sobre a produção de conteúdo e crise de creatividade. A Juliana (Eu ando pelo Mundo) e a Rita (O porto encanta) contaram sobre uma parceria fantástica que fizeram para um projeto de caminhadas. Eu sou apaixonada por caminhos e apesar de morar há 18 anos na Itália, conheço muito melhor os pequenos caminhos de Cascais à Sintra e a uma rota na Dordogne (de Domme a Lascaux), por ter trabalhado em 2009 para uma grande empresa inglesa que só organiza viagens à pé. Agora que encontrei estas duas, já quero trazê-las para caminhar comigo pela Itália!

 Foto: Claudia, do Brasileiros Mundo Afora

Minhas capacidades técnicas são extremamente limitadas e por isso foi muito bom ouvir a discussão moderada pela Rode Veiga (Entre duas culturas) sobre redes sociais. No palco e super-entusiasmadas, Gisele Almeida (Viajar pela Europa), Isabela Discacciati (Italia per Amore), Leticia Diethelm (Viva Viena), Suzana Paquete (That Good Trip) e Camilian Pereira (Destino Munique) arrasaram com suas intimidades com Twitter, Snapchat, Facebook, Instagram e Youtube.

 Foto: Claudia, do Brasileiros Mundo Afora

O nosso almoço neste dia foi gentilmente oferecido pela GetYourGuide; e assim que acabou, já não éramos mais os mesmos que alí tinham chegado pela manhã! Tínhamos adquirido uma grande quantidade de insights para melhorar nossos blogs, feito vários contatos para futuros projetos e sobretudo estávamos altamente motivados para continuar fazendo o nosso trabalho.

E lá fomos nós para o Scandic Hotel, conversando e curtindo a cidade, a lua linda e o frio que na Alemanha funciona como dois tapas nas bochechas que te deixa ligadão como você nunca esteve na sua vida!

 Foto: Claudia, do Brasileiros Mundo Afora

O Scandic deu seu show de profissionalidade com uma recepção de primeira, seu pessoal nota 10 e uma super comida. Tive, então, mais uma surpresa com a distribuição de brindes que blogueiros tinham trazido de seus países. Como estava na mesa vencedora, meu prêmio foi... um visita guiada com a Rê Autran do As Viagens da Rê – não podia ser mais perfeito como presente!


No final da noite ainda consegui responder a e-mails, comprar tickets e organizar tours em Roma antes de dormir, pois estava galvanizada com os acontecimentos do dia.


Domingo de manhã as palestras já tinham acabado e o nosso programa era subir no Panorama Punkt, que presenteou a todos nós com a subida de elevador, um must em Berlim.
O terraço sobre dois andares tem uma vista incrível e fizemos zilhões de fotos, blogueiros de blogueiros, fanáticos de selfies despararam por todos os lados e teve até sessões de Snapchat para os fiéis seguidores. Foi uma farra; assim como foi o máximo tomar um café/prosecco no bar deles antes de pegar o elevador para descer e curtir mais um pouco a cidade com os novos amigos.

Luis Felipe Minnicelli e Claudia, do Brasileiros Mundo Afora trabalhando

Apesar de ter pensado de fazer o tour do bairro judeu com a Nicole, tinha que finalizar umas conversas com as italianas do grupo que moram longe mim, por isso dia 18.01.2017 estarei em Berlim para recuperar este tour, ouviram, Casal 20, Nicole e Pacelli? Estou brincando, a gente se fala!

Segunda-feira ainda deu para ir dizer um tchau ao pessoal que conseguiu alongar bem a viagem e andar de Trabi (o carrinho da ex-Alemanha Oriental) e conhecer o Thierry Noir, que foi o primeiro artista a pintar o muro de Berlim, em 1984.

Olha lá, se não fosse o Pacelli&Cia. o carro não partia!


Este foi o presente dos organizadores que fechou com chave de ouro este mega-evento incrível: não sei como agradecê-los por essa oportunidade, pelo cuidado, atenção e profissionalidade que tiveram ao realizar este evento!

Obrigada do fundo do meu coração aos partecipantes por me fazerem sentir em ótima compagnia!

Note que a Martinha já está rindo antes de tomar o "happynizer" que nos ofereceram lá - e que eles vendem!

Nos vemos em Paris!

 
Links aos blogueiros que parteciparam do encontro (valeu Rafa do Viagem Hamburgo!):

Alemanha
Agenda Berlim (Nicole e Pacelli) – Backpackingalone (Raquel) – Brasileiros Mundo Afora (Claudia) – Claudias Welt (Claudia) – Conexão Berlim (Dulcineia) – Destino Munique (Camilian e Rodrigo)- Entre Duas Culturas (Rode) – Grossa, Eu? (Katia) – Ligado em Viagem (Edson) – Maria de Lux (Rafaella) - Trupe da Trip (Rodrigo) – Viagem Hamburgo (Rafaella) – Viagem Jovem (Gabriele) – Viajando por Aí e Vou para a Alemanha (Márcia e José) – Viajoteca (Carina) – Um Casal na Alemanha (Patricia)

Áustria
Femme Volátil (Kely) – Viva Viena (Leticia)

Espanha
Almost Locals (Sarah) – Barcelona Emociona (Helianny) – De Café por Barcelona (Mônica) – Manaira AraujoSol de Barcelona (Cristina) – That Good Trip (Suzana) - Blogueiros Madrid

França
Direto de Paris (Renata) – SOS Viagem (Louise) – Viajoteca (Martinha)

Holanda
Ana de Amsterdam (Ana Paula) – Ducs Amsterdam (Daniel) – Turista Fulltime (Regina)

Inglaterra
Blog Brazuka (Karine) – Catálogo de Viagens (Liliana) – Londres com Crianças (Carolina) – Londres pra Você (Tina) – No Mundo da Paula (Paula) – Sete Mil Km (Thais)

Irlanda
Ká Entre Nós (Karine)

Itália
Em Roma (Ingrid) – Guia de Roma (Patricia) – Italia per Amore (Isabela) – Milão nas Mãos (Magê) – Viva Toscana (Barbara)

Portugal 
Aqueles que Viajam (Naiara) – Cultuga (Priscila e Rafael) – Euro Dicas (Erick e Fabiane) – O Porto Encanta (Rita) – Rumo a Madrid (Juliana) – Trend Tips (Luli) - Rumo a Lisboa (Juliana)

República Tcheca
Praga Boêmia (Raquel)

Suécia
Viajar pela Europa (Gisele, Vanessa e Daniel)

Suiça
As Viagens da Rê (Renata) – Brasileiros Mundo Afora (Marisa) – Eu Ando pelo Mundo (Juliana) – Me Joguei no Mundo (Monique)

Agradeço também todos que facilitaram demais a nossa vida em Berlim:

O fotógrafo Luis Felipe Minnicelli, luisfelipeminnicelli

Siga as fotos dos 60 blogueiros nas mídias com os hashtags abaixo!
Scandic:  #scandicberlin #scandicblogger
VisitBerlin: #visit_berlin
Microsoft:  #microsoftdeutschland #thedigitaleatery
GetYourGuide:  #getyourguide #getyourguideberlin
The Circus Hostel:  #circushotel #circushostel #circusberlin #circusbeer
Panoramapunkt: #panoramapunkt
NoirBerlin:  #noirberlin #trabinoir
Holmes Place:  #holmesplace
Frau Tonis Parfüm: #frautonisparfum
Ritter Sport: #rittersport